De mãe pra filha

Recentemente, falamos como reformar o carrinho de bebê. Neste mês das mães, vamos falar sobre brinquedos que passam de mãe pra filha: restauração de boneca. Tão legal poder dar vida a uma boneca que estava abandonada e permitir que o(s) filho(s) brinquem com um brinquedo que marcou a sua infância! Meninos também, por que não?

Assim como para arrumar carrinhos de bebê, existem lugares especializados que podem ajudar no restauro. Levar a boneca num “hospital de brinquedo”, entretanto, pode custar um pouco caro e nem sempre arrumam tudo como a gente quer. Vale esclarecer antes de deixar para fazer o serviço. Alguns ajustes podemos fazer em casa. 

Minha amiga Juliana levou sua Bebezinho, da Estrela, para restaurar no Centro Técnica de Brinquedo, em Porto Alegre/RS. Ela já queria encaixar a cabeça da Baby Alive da filha, decidiu aproveitar a viagem para consertar também sua boneca antiga. Só para a bebê de estimação foram “meros” R$ 180 para arrumar seu corpinho. A colocação da cabeça na outra boneca custou R$ 20,00.

A questão é que a “cirurgia plástica” não incluiu um banho na boneca nem mesmo um retoque no seu “batom”, o que faria toda a diferença pra deixá-la com cara de nova. (Eu adoro quando meu computador volta da assistência bem branquinho, o que nem imaginava que fariam… Para uma boneca, a limpeza é o mínimo esperado, não?) O que eles fizeram: trocaram o tecido e o enchimento do corpo. Existia também a possibilidade de aumentarem seus cílios (era dessas bebês que fecham os olhos), mas para isso teriam que trocar os olhos da boneca, que hoje só vendem azuis (além de sair literalmente “o olho da cara”, cerca de R$ 80). A Ju também achou que o corpo ficou um pouco diferente, sobrando um pouco de pano nos braços – nada comprometedor, ela é um pouco perfeccionista e também é artesã.

O que podemos fazer em casa
Para recolocar a cabeça de uma boneca, dessas cabeças de borracha, quando não conseguimos encaixar facilmente, basta aquecê-la. Ela dilata e encaixa no pescoço. Como fazemos para abrir a tampa do pote de geleia! Claro, é preciso tomar alguns cuidados. Você pode tentar de três formas: aquecer a água e molhar a base da cabeça na água morna (e secar antes de recolocar); deixá-la próxima ao fogo (cuidando para não encostar, muito menos os cabelos!); ou tentar aquecer com o secador de cabelo (mais seguro que fogo).

O banho de cabelo (para as bonecas de cabelo comprido – a não ser as de cabelo de lã) pode ser uma grande diversão “mãe e filha”. Para pentear mais fácil, é preciso molhar. Ela também tem direito a shampoo, condicionador e penteado.

Para o corpo e rosto, lá em casa a gente costuma lavar as bebezinhas da minha filha com escova de dentes velha e sabão de coco em barra. Para as bonecas da mamãe, isso pode não ser suficiente. O segredo são aquelas esponjas mágicas branquinhas. Já existe no Brasil uma da 3M que, além de limpar as bonecas tira riscos de giz de cera na parede! Foi assim que a Ju limpou a boneca dela na volta do conserto – e só assim ficou com ares de nova.

O vídeo abaixo mostra como uma menina limpou sua boneca. Ela também usou a esponja mágica, mas de outro fabricante. E se divertiu arrumando o cabelo. Até alisou e refez os cachos.

Alguns endereços de lugares especializados em restauração de bonecas:

Centro Técnica de Brinquedos
Av. Plínio Brasil Milano, 2224 – Higienópolis, Porto Alegre/RS
51 3062-6455

Hospital das Bonecas Brinquedos e Games
R. João Cachoeira, 301 – Itaim Bibi, São Paulo/SP – e vários outros endereços
11 2643-2630 / 11 2642-1800

Pronto Socorro das Bonecas
Turiassu, 2209 – Pompeia, São Paulo/SP
11 3865-6357


Leia também:
Hospitais de Brinquedo: o S.O.S. da Diversão – em Vejinha São Paulo
Bonecas para meninos e meninas
Como reformar o carrinho de bebê

Sol no Carnaval

sol
Eis que minha filha decidiu se fantasiar de Sol no Carnaval. Antes de saber que faria sua própria fantasia em aula para o “desfile da escola”, a ansiedade foi maior e quis criar seu figurino em casa. Isso que inicialmente estava pensando em pular de bailarina e, “para o ano que vem”, ela disse, iria de Sol. Imagina, esperar até o ano que vem!

Eu mesma não estava visualizando como ela imaginava esse Sol, precisava de tempo, me inspirar para separar ou comprar os materiais necessários. Nada disso. Sábado passado, uma semana antes do feriadão, o limite foi o almoço. “Preciso ir pra casa preparar minha fantasia!”, exigiu. Então a família toda entrou na roda, tio, tia, vó, mãe.

Dei uma saída, quando voltei, ela já estava no chão da cozinha, com vários potinhos de tinta têmpera que a vovó alcançou, pintando (sobre o forro que a gente sempre usa para atividades) um pedaço de papelão que eu tinha separado. Era um lado de uma caixa de brinquedos, já com um círculo recortado no meio, que ela pediu que o tio Carlão recortasse do tamanho que passasse na sua cabeça. Já não era mais uma máscara, era a fantasia que ela estava imaginando. E continuou pintando somente o lado pardo, não o impresso.

Precisamos negociar para recortar os raios de sol, que ela já estava pintando. Tia Tata, engenheira, calculou para que mantivesse o desenho redondo. Para preencher os espaços vazios, a pequena usou rolinho de pintura e fez uma mistura “quente” de amarelo, laranja, vermelho e cor de rosa. Puxou mais para o laranja escuro – era o sol do fim da tarde do verão (ela mesma justificou). Para finalizar, assim que a tinta secou um pouco, pintou com pincel seus raios de sol amarelos. Ela adora sobrepor tintas e cores, assim algumas das pinceladas antigas da primeira camada aparecem discretamente por baixo da cobertura de cores bem quentes.

E agora, comprar malha e sapatilhas amarelas que ela nunca mais usaria para compor o look? Essas sapatilhas de tecido, perigosas de usar na rua? Quem sabe um pano, um lenço… Lembrei de uma echarpe amarela que ganhei e quase nunca usei (talvez para torcer pelo Brasil, no máximo)! Ela viu o pano e já imaginou um vestido. A vovó cortou bem no meio uma passagem para a cabeça e costurou. Com os fios na parte de baixo, ficou um pouco comprida, vai precisar usar um cinto ou ajustaremos na cintura com elástico. É transparente, mas ficou uma túnica que pode ser usada sobre qualquer roupa.

fantasia

Faltou a foto dela vestindo o figurino, eu sei… Para entenderem: ela usa com o lado de trás dos raios para o alto e a parte da frente para baixo – abaixo do pescoço. Tem os movimentos bem livres e consegue se vestir sozinha.

Então, faça chuva ou faça sol (a previsão infelizmente é de chuva para as bandas paulistanas, Capital e Litoral), teremos nosso sol particular nesse Carnaval 🙂 Agora é só escolher um bloquinho infantil ou sair sambando fantasiada por aí. Pois no bailinho da escola já não poderá ir brilhar de Sol, vai seguir o bloco da turma.

 

Para completar a folia:

tambor_ok
Fizemos em casa um tamborzinho reciclado. O ideal é fazer com uma latinha. Na falta, usamos um copo de plástico de Requeisoy (o requeijão vegano), um retalho de balão (ou “bexiga”, casualmente combinando com o figurino, laranja) que tínhamos guardado, um atilho (elástico desses de banco, pra quem não entende português gauchês – pra mim elástico e atilho são coisas completamente diferentes) e finalizamos com uma fita adesiva, dessas coloridinhas de base de papel, mas podia ser uma tira de retalho de tecido, qualquer coisa.

Não chegamos a colocar nada dentro. Podíamos ter aproveitado que é transparente para colocar pompons no recheio ou papéis coloridos… Ou grãos de feijão, alguma coisa que fizesse ainda mais barulho como chocalho, como neste brinquedo caseiro do link.

Em anos anteriores, fizemos chocalhos com embalagens reaproveitadas e cereais ou sementes.

E pra dar mais cara de Carnaval ainda, mas não poluir tanto a cidade, nosso confete vai ser de folhas secas que pegamos no parque. Fizemos furinhos nelas com furador de bolinhas e furador de estrelinhas. O que sobrou, picotamos com tesoura. Nem precisa ser tão pequeno pra jogar. Ainda vira adubo natural onde cair!

Minha filha recém aprendeu com outra menina num bailinho a jogar confetes para o alto. Não botei muita fé, mas decidi fazer um “confetti popper” ou lançador de confete pra ficar mais divertido com: meio balão (de preferência furado ou abandonado), copo de papel sem a base (recortar) OU rolo de papel higiênico OU topo de uma garrafa PET recortado, atilho ou borrachinha (elástico) e fita adesiva ou laço. Como a gente não usa rolo de papel com rolinho no meio e eu tenho pena de desperdiçar nossos copinhos de papel descartáveis de festa, aproveitei que tínhamos uma garrafa PET e a cortamos no meio, quase 1/3, aproveitando apenas o “funil”, a ponta da tampa. Não tinha certeza se ia funcionar, até porque o pedaço de balão que usamos estava meio rasgado. Não tem problema. Deu tão certo que, quando eu estava testando, a vovó entrou na sala e levou um susto! Salta muito alto! Diversão na certa, mesmo com poucos confetes ou picotes.

 

Leia mais:
Carnaval é percussão @ blog da mamãe sustentável

Carrinho de cara nova

empurrando

Sabia que podemos deixar o carrinho novinho e limpinho? Sim, existe assistência técnica especializada em carrinhos! Nem pensar comprar carrinho novo ou mudar a logística tão cedo.

Eu tinha certeza de que assim que levasse o carrinho no conserto, minha filha pararia de andar. Não parou, mas está dependendo menos dele, como já contei. Pelo menos por enquanto, ele continua nos ajudando a poupar tempo nos trajetos mais longos.

Não podíamos mais levar o carrinho no metrô, pois os freios não estavam mais funcionando. Desde 2015, de um lado. No último ano, de repente, dos dois. Mas foram mais de três anos de muito uso.

calota

Havia um outro problema que há muito nos incomodava. Comecei a levar choque ao empurrar o carrinho. Era só mudar de superfície, como andar na rua em dia bem seco e entrar num shopping. Ou de repente parar e apertar o botão do elevador do metrô. Ui! Fiquei traumatizada com esses elevadores, hehe. Depois de levar muito choque (e também para evitar calos nas mãos), comecei a usar luvas de ciclista para empurrar o carrinho. E comecei a sonhar em revestir as alças com aquela fita para guidom de bicicleta.

Então, com o Zezinho dos Carrinhos, a assistência técnica que encontrei em São Paulo, descobri que o problema eram metade das rodinhas que estavam carecas. E desde que trocamos essas rodinhas (que eram quatro, pois nosso carrinho é o Maclaren Techno XT), nunca mais levei choque. Acredito que as rodinhas traseiras gastaram mais de tanto forçar subindo e descendo guias de calçada sem rampa.

Comecei a desacreditar na promessa de que o modelo escolhido era um carrinho para toda a família, que passa de criança para criança, antes de conhecer a assistência técnica. Estava ciente de que rodamos provavelmente mais que a média, pois já foram muitos quilômetros nesses mais de três anos, enfrentando as magníficas calçadas brasileiras. Mas é verdade que esse carrinho atende crianças desde bem bebês (o encosto deita) até ficarem grandinhos (aos 3, nossa filha já vestia 6 e pesava quase 18kg, apostava que por 6 meses no mínimo ainda usaria muito).

O carrinho ficou bem limpinho, não perdeu a cor, como eu temia, prometeram não utilizar produtos agressivos. Os freios voltaram a funcionar perfeitamente! A calota nova foi a única coisa que não deu muito certo: em uma semana caiu, por sorte, na frente de casa – preciso voltar lá pra arrumar. O legal é que trabalham com peças originais.

sentada

Empolgada com o resultado, até esqueci que a menina estava crescendo! Somos altos, a pequena não é tão pequena assim. Com 3 anos e 8 meses, tem 110cm de altura e 19kg! Grande parte dos carrinhos têm o limite de 15kg, fiquei preocupada. Então lembrei que escolhi o Maclaren Techno XT por ser apropriado para famílias altas (os “puxadores” sobem, inclusive) e para acompanhar a criança no seu crescimento. Checando no site oficial, esse carrinho suporta até 55lb, ou seja, 24,900kg ou mais, ufa.

Claro que não é tão barato consertar, como qualquer mão-de-obra. Ainda assim, é muito menos do que um bom carrinho novo. E valeu a pena contratar o serviço de lavagem, pois tiram todo o tecido, desmontam para lavar e depois te entregam montadinho – bem mais eficiente do que nossa limpeza de aspirador e paninho, éramos salvos pelo forrinho do assento que colocávamos na máquina. Não sei os preços atuais, o serviço com as peças custava a partir de R$ 70 e não chegava a R$ 200. Com a possibilidade de conserto, o carrinho ganhou mais anos de vida!

Alguns endereços de assistências técnicas no Brasil:

São Paulo/SP
Zezinho dos Carrinhos (onde nós fomos)
Rua Tanabi, 47 – próximo ao Parque da Água Branca
11 3673-7357

Rio de Janeiro/RJ
Babytec (mais de um endereço, atendem Maclaren, respondem pelo Facebook, não experimentei)

Porto Alegre/RS
Casa Catraca (não sei as marcas que atendem, mas consertam carrinhos e bicicletas)
Rua Visconde do Herval, 1383
51 3217-0359

E você pode entrar em contato com o SAC do fabricante ou checar listas como estaesta ou esta.

 

Leia mais:
Dicas da mamãe da cabeça aos pés para limpar o carrinho em casa
Como escolher o carrinho do bebê

Fofurices de criança

lacinho da Maria Joaquina e bolsa boneca feita sob encomenda

Lacinho amora da Maria Joaquina Criancices (preso na bolsa) e bolsa boneca feita sob encomenda

Artesanato é um presente socialmente correto que carrega carinho e originalidade. Comprar de quem faz muitas vezes é sinônimo de comprar de outras mães e ter a chance de saber como é feito ou conhecer a procedência do produto. O que é feito à mão traz mais energia. Para a criança, um presente especial, alheio à produção em massa, geralmente educativo, desenvolvendo habilidades, de materiais ecológicos ou com diferentes texturas – fofinho mesmo!

Este ano minha filha ganhou vários presentes feitos à mão e com muito amor. “Mandei fazer um presente pra Dora, vai chegar pelo correio”, nos diziam. Até um quebra-cabeças de madeira chegou da Croácia! Recomendo muito retribuir o carinho com esses aqui – caso não consigam encomendar as mesmas ideias de presente em tempo para este Natal, procurem quem tem pronta-entrega online ou em feirinhas:

laco_carambola

Lacinhos
Da Maria Joaquina Criancices, são presilhas ou tiaras customizadas com feltro. Há um grande leque de cores, podem ser feitas sob encomenda. Com lacinhos (nos formatos lima, framboesa, carambola ou amora), em espiral (romã) ou tiaras (linha abacate). Lindinhos, moderninhos, coloridos, alegres. Combinam com qualquer estação, no verão são essenciais, mas no inverno ainda parecem quentinhos! E são foscos e sem frescura, pra quem não gosta de brilho.
O romã é bem pequeninho, pra franjinha ou fios rebeldes, pra prender ou só enfeitar. O amora segura um tufo maior de cabelos (não o cabelo todo, o suficiente pra prender umas mechas no centro da cabeça). Com os dentinhos da garra, a presilha até dura bastante tempo na cabeça! O carambola (o rosa da foto), para meninos e meninas, pode virar gravatinha.
Todos os materiais são brasileiros. Tudo confeccionado à mão. Até a tiara é forrada à mão (na parte interna é de metal, não é daquelas plásticas facilmente quebráveis, então tem uma durabilidade maior).
Quando quer dar uma lembrancinha, acessórios para os cabelos são sempre bem-vindos, pelo menos por aqui!

Bolsa-canguru
Para carregar giz de cera e caderninho ou até um livro, a bolsa-canguru com boneca de pano é um charme. A boneca sai do canguru para brincar. Esta aqui foi personalizada. A presenteada escolheu a cor (azul) e o penteado (duas tranças “como a Anna”) da boneca!
A criadora até mandou um cartão, um mini-livro, com uma mensagem especial para a dona da boneca, escrito à mão, cheio de poesia e encantamento.
Adoramos levar a bolsinha em passeios ou almoços fora de casa. Está sempre perto da porta, com um caderno de desenhos dentro e um estojinho.
Minha irmã encomendou diretamente da arquiteta Marcela Garcia Mellado, de São Paulo, mas já encontrei uma parecida e igualmente bonita na feirinha de domingo do Centro de Recife/PE. Se procurar por “bolsa boneca” no Elo7, encontrará algumas opções.

emilia

Livro de atividades
Feito de acordo com os interesses da criança e sua fase de desenvolvimento. A cada página, uma atividade, que podem ser relacionadas uma com as outras – como a feira, a panela, o prato, vejam o vídeo. A Confeitos e Costuras faz tudo com muito capricho e personaliza o livro de acordo com as preferências da criança. Os personagens favoritos também podem aparecer, como o quebra-cabeças da boneca Emília.
Um presente que cresce com a criança, porque você pode encomendar novas atividades para acrescentar ou trocar.
Ótimo para levar em viagens, almoços em restaurantes. Vem com alça, a criança faz questão de carregar.

Bem-vinda, primavera

ciclovia

Setembro foi o mês de redescobrir as ruas, curtir andar a pé, sair para observar os ipês e colher amoras. Descobrimos também que alguns dos caminhos mais bonitos de São Paulo estão nas ciclovias – pelo menos nessas abençoadas pelas árvores! Tanto que a mocinha minha filha pegou o gosto de andar na bici dela por aí. Três coisas para contar.

Das amoras
Esses tempos tentaram cortar nosso barato. Estávamos descendo as escadas para seguir em direção ao metrô e paramos para comer amoras. Eis que um senhor de terno parou atrás de nós só esperando para falar comigo.
A árvore era dele, fiquei pensando? Ele estava fumando e queria me alertar para não oferecer amoras para minha filha pois o ar é muito poluído, passam carros e ônibus na rua. Eu retruquei que essa sujeira também entra pela minha janela, inclusive da cozinha, e que eu preferia isso a comprar frutas com agrotóxicos e que, além disso, ele estava contribuindo para aquela poluição fumando.
Tenho amigos saudáveis, inteligentes, queridos e crescidos que cresceram se pendurando em amoreiras nas calçadas e praças em Porto Alegre, onde também passam ônibus. Por que ele, com aquele cigarro apontado, teria que se meter na criação da minha filha? Me tirou do sério, escutou muito.
Infelizmente, quando passamos de novo nesse mesmo caminho, realmente cortaram nosso barato: podaram os galhos mais acessíveis dessa amoreira, levaram embora mesmo. Menos mal que ainda existem muitas amoreiras por aí (perto do asfalto) para manter esse delicioso sabor de infância.

A bici
Já havia contado das balance bikes, bicicletas de equilíbrio. Minha filha tem uma de madeira, que, na época dos posts, era ainda triciclo. Ela usou por muito tempo como um andador, empurrando, mal sentava. Sempre dizia pra ela dar um impulso e soltar os pés, andar mais rápido, mas nada. Não estava acreditando muito que ela fosse se aventurar a usar.
Quando parei de falar, aos 3 anos e 4 meses, ela mesma pediu para andar e começou a experimentar. Sentiu o gostinho da velocidade, aprendeu a descer (e gostar de descer) rampas. Experimentou a autonomia, como se a bici fosse o “carro” dela. Já andou até em ciclovias.
Assim, para alguns caminhos a pé pudemos abandonar o carrinho. Conseguimos ir de casa ao metrô ou ao supermercado (mais próximo) com ela “dirigindo”. Nossa ciclista pede diariamente por um passeio de bike agora.

O carrinho
Adoro os amiguinhos da minha filha. Um dia desses, um deles fez a ela uma pergunta que nenhum amigo meu ousou fazer pra mim quando eu era pequena. Por que ela não tinha levado um carrinho pra eles brincarem no parque?
Esse é desses meninos que também brincam de boneca, leva um bonequinho pra tomar banho no balde, brincadeira de criança, ora. Tem um outro menino que já se fantasiou de princesa, de príncipe, de fantasma, sim, de princesa, enquanto brincavam com panos no Sesc.
Ela até tem alguns carrinhos. Não pensei em levar para o parque porque um deles pode enferrujar e os outros dois são de madeira, também não podem ser molhados. Mas minha filha fez outra interpretação da pergunta e teve a brilhante ideia de levar carrinho de boneca ao parque. Passou uma semana inteira pedindo. Até que foi numa tarde de sexta empurrando seu carrinho. Meia hora (nos seus passinhos) sem pedir colo. Parou apenas para tomar um gole d’água ou colocar/tirar casaco.
Depois dessa experiência, estava pronta para fazer o mesmo trajeto de bicicleta! Deu certo. Foi e voltou, mas com um intervalo maior para descansar.

foto_ciclovia_v

Leia mais:
Como ensinar a andar de bicicleta?
Brincadeira de criança – não existe brinquedo de menino ou de menina, ou existe?
Amora – um poema para refletir
Amora, fruta gostosa que só faz bem
Um pai, um pé de amora e o tempo
Leituras primaveris

Passeio: Projeto Tamar

Tartarugas marinhas no Projeto Tamar Praia do Forte * foto: acervo pessoal / todos os direitos reservados

Tartarugas marinhas no Projeto Tamar Praia do Forte * foto: acervo pessoal / direitos reservados

Ao contrário do que se pensa, no inverno praia também é uma boa pedida. Viajar fora de época é uma escolha sustentável para fugir dos destinos em alta temporada. Para as férias de julho ou para qualquer momento, inclusive dias frios ou nublados, minha sugestão é um passeio a um dos centros de visitantes do Projeto Tamar. Presente em 25 endereços no Brasil, a instituição que preserva as tartarugas marinhas brasileiras (além de outros animais como raias, tubarões e da vida marinha como um todo), através da pesquisa, proteção e manejo das espécies, todas ameaçadas de extinção, tem oito centros de visitação: Fernando de Noronha, PE; Oceanário de Aracaju, SE; Praia do Forte, BA; Arembepe, BA; Regência, ES; Vitória, ES; Ubatuba, SP; Florianópolis, SC. Todos em regiões litorâneas turísticas, unindo lazer com educação ambiental.

Orientação do Projeto Tamar Ubatuba em relação aos demais *foto: acervo pessoal

Orientação do Projeto Tamar Ubatuba em relação aos demais *foto: acervo pessoal

Os centros do Tamar apresentam tanques e aquários com tartarugas marinhas ou outros animais, painéis informativos, réplicas de tartarugas em tamanho real, salas de vídeo, lojinha e proporcionam atividades com interação, visitas guiadas e, eventualmente, até shows. O legal é se informar sobre as atividades dos locais antes de visitar. As tartarugas se alimentam apenas uma vez ao dia. No Projeto Tamar, você pode ver elas se alimentarem e dar comida (peixe fresco) para as tartarugas. A refeição costuma ser por volta das 15h30 ou 16h.

Os personagens da Galera da Praia, que ilustram souvenirs e ganharam esculturas para a garotada abraçar e tirar fotos, são muito simpáticos. Só as animações podem ser um pouco impressionantes para crianças pequenas, então avalie antes de entrar acompanhados de bebês ou crianças menores de 5 anos nas salas escuras. Minha filha, com quase 3 anos na época, nunca esqueceu a cena de um afogamento (seguido de salvamento por uma sereia, com ajuda das tartaruguinhas) de um curtinha que vimos no cineminha do Projeto Tamar da Praia do Forte. Não precisa insistir se a criança não quiser entrar no cinema, lá fora há tanto o que ver!

Na loja, que é irresistível, todos os produtos são confeccionados pelo próprio Projeto Tamar, o que está ligado a seu trabalho com as comunidades. Há vários produtos artesanais e são todos com um apelo ecológico. Preste atenção nos joguinhos ou atividades para crianças – compramos, por exemplo, um kit para brincar com colagem de areias coloridas, bem legal.

Vale muito a pena conhecer mais de um centro de visitantes. Fomos visitar alguns centros do Projeto Tamar e convidamos a Juliana Rosinha, outra mamãe e fundadora da Maria Joaquina Criancices, confecção de lacinhos e acessórios para crianças, pra contar mais sobre o Projeto Tamar de Floripa.

O passeio agrada a todas as idades! Aproveite para ir com as crianças pequenas – até 1,20m de altura, elas não pagam. A regra me parece estranha (minha filha é alta), mas, no fim, o valor do ingresso, apesar de não ser padronizado para todas as unidades, é justo. Fiquem atentos à programação de férias, o horário é diferenciado e há atividades recreativas.

Praia do Forte – BA
Também endereço da sede nacional do Projeto Tamar, este centro de visitação fundado em 1982 está situado no Centro da Praia do Forte, no município de Mata de São João, na Bahia, a 75km do Centro de Salvador, capital bahiana. É maravilhoso! Preste atenção: entre setembro em março, se pode ver áreas protegidas na areia das praias onde estão os ovos das tartarugas – inclusive na praia em frente ao hotel Iberostar Bahia, onde há também uma réplica da desova das tartarugas.

  • Valor do integral ingresso: R$ 22,00
  • Destaque para: túnel para visualizar os animais debaixo d’água; poder fazer carinho nos tubarões-lixa (guiado por monitores em horário pré-estabelecido); alimentar as raias.
  • Para completar o passeio: Tomar banho nas piscinas naturais da Praia do Forte, com muitos peixinhos. Excelente para bebês!

Ubatuba – SP
Localizado no litoral norte de São Paulo, cerca de 4h de viagem da Capital paulista, no meio do caminho para o Rio de Janeiro. Quase 80% do território do município integra o Parque Estadual da Serra do Mar e é cercado de 73 praias.

  • Valor integral do ingresso: R$ 18,00
  • Destaque para: Parquinho infantil (quase perdemos de vista a nossa pequena, que correu para brincar assim que o enxergou de longe, então atenção); presença de jabutis; Museu Caiçara, que conta a origem de Ubatuba e sua antiga relação com as canoas de pesca; atividades de férias.
  • Para completar o passeio: Visitar o Aquário de Ubatuba, onde há também um museu que orienta os visitantes sobre o lixo no mar.

Floripa – SC
Situado na Barra da Lagoa, na costa leste, na ilha da Capital catarinense, cerca de 9km do centrinho da Lagoa da Conceição. Não há vista para a praia e fica afastado de pontos de táxi e comércio (mas a equipe pode chamar um táxi para você, que demora um pouco mais de 15 minutos para chegar). A estrutura não é muito grande, então o passeio pode ser rápido ou render mais* se coincidir com o horário de uma visita guiada.

  • Valor integral do ingresso: R$ 12,00
  • Destaques para o programa educativo: as crianças adoraram as caixinhas com curiosidades; há um espaço para desenhar e colorir papeis em formato de tartaruga, caranguejo, estrelas, entre outros (um por criança) – pontos altos tanto para a Catarina, de 1 ano e 10 meses, quanto para a Dora, aos 3 anos e 2 meses.
  • Para completar o passeio: Visitar o Parque Ecológico do Córrego Grande (Horto), o jardim botânico de Floripa. Lá vocês podem fazer a comparação com os jabutis e ver muitos macaquinhos saguis numa grande área verde, com um grande parquinho. Como quase tudo em Floripa, não é perto do Tamar, mas é possível fazer os dois passeios no mesmo dia.

Um adendo: As visitas guiadas são bacanas para aprendermos mais sobre a vida marinha e sua conservação, tirar dúvidas sobre o tamanho, a idade, a espécie, o gênero ou os hábitos das tartarugas marinhas. Por exemplo: por que no desenho do Bob Esponja não aparecem tartarugas? Porque as tartarugas pente gostam de comer esponjas. Mesmo fora do horário oficial de visitação, adoramos ter a sorte de acompanhar a visita de uma escola. Já a filha da Ju se assustou com o guia falando alto para um grupo grande, apesar de ter gostado de ver as tartarugas.

Assim como a gente, a Juliana também visitou o Projeto Tamar Floripa em dia nublado, até com chuviscos. Foi uma maneira ótima para aproveitar bem aquela manhã, pelo menos pra gente. Elas ficaram decepcionadas por não ter visto a soltura de tartarugas para o mar – o que nós não chegamos a ver em nenhuma das três visitas. Sempre há razão para voltar.

Cada vez que visito o Projeto Tamar lembro daqueles que me perguntam por que eu não como peixe… Já que a pesca é uma das principais ameaças para a extinção de tantas espécies marinhas.

Leia mais:
Tudo sobre as tartarugas marinhas e o Projeto Tamar
Viagem com bebê – pelo Blog da Mamãe Sustentável

Piquenique de aniversário

piquenique

Cada ano que passa, estamos ficando mais minimalistas em relação ao aniversário. E vocês?

Atualmente a melhor festa, ao meu ver, é um piquenique. O custo-benefício é ótimo, como coincidentemente destaca o pai do blog Paizinho, Vírgula, que fez um vídeo bacana sobre essas festinhas. É uma festa mais simples de organizar, que nem pode ter muita decoração ou atrativos (ou a administração do parque pode até impedir sua realização), nem precisa de muito (o entorno já costuma ser perfeito, ao ar livre, no meio do verde), a duração pode ser até mais curta (principalmente entre montagem e desmontagem) e, com certeza, cada minuto será muito bem aproveitado.

Simplificando a festa
Primeiro aninho é aquela festa tão esperada, quando queremos apresentar o bebê pra todo mundo, um grande evento, mesmo que seja em grandes ou pequenas proporções. Nós escolhemos comemorar na casa dos avós, fizemos boa parte da decoração à mão, uma função, mas foi delicioso e bem aproveitado. No segundo ano foi a vez de realizar tudo o que não foi possível fazer na festa de um ano, mas para um grupo menor de pessoas, salão pequeno, fazendo grande parte da festa nós mesmos, exceto detalhes da decoração (estrelinhas de origami) que deixamos para artesãs mais experientes. Era pra ser menor, mas parece que deu mais trabalho que o primeiro aniversário. No terceiro, estávamos já exaustos, hehe. Com passagens caras, nem tivemos a chance de pensar em organizar uma grande festa com a família no Sul. Aqui em SP, não pensamos em outra coisa senão um piquenique! Ou seja, o mais simples possível.

No primeiro ano a gente também fez piquenique aqui, só que não foi a festa oficial. Foi bem informal, para um grupo de amigos próximos. Cada um naturalmente levou uma coisa, nós trouxemos “docinhos” da festa de Porto Alegre, mais algumas coisinhas, e assim foi.

Dessa vez, era a festa oficial, então avisamos que ninguém precisava levar nada. Mas reduzimos as opções do cardápio para conseguirmos preparar tudo em tempo. Fiquei na dúvida se iam gostar do que levamos, pois era no geral tudo natural, caseiro, orgânico, vegano ou sem lactose. Imagina, sucesso principalmente com as crianças!

Festa ecológica
Num parque, temos que ter ainda mais cuidados com a festa do que num ambiente fechado, pois você vai querer deixá-lo exatamente como estava. Ou seja, zero lixo. Isso quer dizer: zero copinhos plásticos, zero colheres plásticas, zero balões. Tenho pavor de encontrar em caixas de areia traços de festinhas, vocês não têm?

O ideal é saber se o parque tem coleta de lixo seletivo e lixeiras separadas para lixo reciclável. Na dúvida (ou mesmo na dúvida se o destino do lixo reciclável é a reciclagem), evite gerar lixo. Você pode levar pra casa seu lixo, mas imagino que já terá outras coisas para carregar.

Por isso, melhor evitar coisas prontas com muita embalagem, preferir levar coisas reutilizáveis que voltem pra casa (como pratos, sousplats, copos, talheres) ou biodegradáveis (utensílios de papel, bambu, madeira).

Decoração
Balões de látex são biodegradáveis, mas eles não desaparecem de um dia para o outro se estourados na grama ou na areia. Aqueles metalizados podem ser reutilizados, entretanto ainda provocam lixo e podem voar longe… No primeiro ano, abolimos balões, só de papel. No segundo, decoramos com balões de látex transparentes recheados com as tais estrelinhas de origami de papel, mas em ambiente privado. No parque, defini que decoração = lembrancinha, de preferência algo bem lúdico, tradicional e ecologicamente correto.

Do que lembramos? Cataventos! Lindos, artesanais, feitos com papel e palito de bambu. Pode até fazer você mesmo, mas preferi procurar no Elo7 um fornecedor próximo que fizesse como eu queria (materiais e cores) e com perfeição. O frete não sai caro, pois são leves e chegaram bem inteiros!

catavento

Se você não puder fazer ou não conhecer quem faça, em sites como Elo7 sempre tem gente talentosa

Toalhas e guardanapos reaproveitamos (do nosso casamento). Alguns pratos e copinhos levamos de casa. Outros comprei numa lojinha de bairro de festas. Impressionante como os produtos de papel e madeira estão se popularizando finalmente! Essa lojinha da Vila Mariana, em São Paulo, localizada na rua José Antônio Coelho, vende, por exemplo, garfinhos de madeira importados com um preço realmente acessível.

No mais, levamos alguns brinquedos para dividir e decorar, como uma cestinha de piquenique de faz-de-conta. E a diversão estava garantida com os brinquedos públicos do parquinho!

Cardápio
Sabe o que as crianças mais amaram? Morangos orgânicos e mix de castanhas e frutas secas! Além de potinhos com essas frutas e castanhas, preparamos:

  • Pão “sem queijo” vegano (receita já divulgada aqui);
  • Varinhas de frutas (palitos de bambu com uvas sem sementes, morangos, cubinhos de abacaxi ou melancia, blueberry e carambola, não exatamente nessa ordem, mas quando finalizamos com estrelinhas de carambola ou frutas cortadas em formato de estrela, parece uma varinha mágica, como a da Holly, do desenho do estúdio da Peppa, Ben & Holly);
  • Bolo preguiçoso de maçã, bem caseiro, preparado pela titia, que fica baixinho na forma, então decoramos com os cataventos;
  • Brigadeiros de grão de bico (em função da possível alergia à proteína do leite de vaca ou intolerância, nossa filha ainda não provou um brigadeiro tradicional e este foi seu primeiro aniversário com brigadeiro!), ficam bem gostosos e foram bem aceitos – passo a receita em breve (tenho que pedir ao maridão, sim, foi o papai que fez!).

Pra beber, água, chá gelado de erva cidreira ou suco integral de uva orgânico. Basta!

potinho

Reaproveitando o potinho, você pode servir porções individuais da salada e cobrir a tampa com um guardanapo de tecido

Se fosse uma festa ainda mais minimalista e comemorássemos só com a família ou meia dúzia de pessoas no total, sugiro um almoço piquenique – como já fizemos num final de semana de “hanami”, festival das cerejeiras. Em potinhos de geléia individuais, montei uma salada estilo Rita Lobo, com camadas de molho, macarrão frio, legumes raladinhos e verduras. Nesse caso, se for aniversário, bolo de sobremesa, claro. Que delícia!

Acessório indispensável
Ganhei de uma amiga no meu aniversário e pude aproveitar no aniver da minha filha esta esteira dobrável impermeável, própria pra piquenique. Vem com alça para carregar, muito prática. A estampa é linda, mas, com pena de sujar, cobri com as toalhas.

Ano que vem
Diferente do primeiro ano, que mal terminou a festa eu estava planejando o ano seguinte, agora é a pequeninha que já está tendo ideias para seu aniversário de 4 anos. Ela tem ideias sobre um tema (viu numa padaria um bolo que a encantou), o que comer, sobre o parque… Pois curtiu muito a comemoração singela deste ano, cada detalhe. Por ela, repetiria os cataventos, mas de outras cores!

Vamos ver como vai ser. Adorei ler este artigo sobre o aniversário das crianças na Alemanha! Realmente não precisa de muito, o legal é celebrar, deixar o dia especial.

 

Saiba mais:
Artigo muito interessante sobre a comemoração dos aniversários na Alemanha
Receitinhas saudáveis para aniversário
Como fazer uma festa ecológica

Em uso – pra mamãe

Experimentei novos produtos que estou amando – e podem ser ótimas ideias para presente nesse Dia das Mães!

Pra disfarçar a cara de sono da mamãe, nada como ir para uma praia sem agito fora da temporada, ficar uma semana offline, sem TV. Pode levar crianças e bebês, mas tem que ir dormir junto com elas, bem cedinho. Como não é sempre que isso acontece e mãe dorme pouco, eu, que adoro andar de cara lavada, devo admitir que vale investir numa boa maquiagem. De preferência natural, vegana, fair trade, de insumos orgânicos rastreados, que faça bem pra gente e para o planeta.

Estou usando e recomendo:

  • Corretivo Nutritivo Universal Bioart
    Ilumina a região dos olhos e disfarça olheiras, como efeito de equilíbrio da oleosidade.
    No primeiro uso, achei que demorou para o produto chegar até o pincel aplicador. Mas logo consegui usar, girando a embalagem. Se parece não fazer diferença logo que você aplica, observe na hora de remover. Do nada, revê as olheiras! Acho que funcionou.
    Cor única que se adapta a vários tipos de pele. Quando apliquei, antes de espalhar, pensei que não fosse claro suficiente para desaparecer com as olheiras. Nada disso, deu super certo e iluminou a região dos olhos. Pode ser usado como corretivo no geral para peles claras, para esconder espinhas e como base para fixar a sombra.
    Além da cor universal, que experimentei, há duas outras versões, clara e escura.
    A base do produto é argila. Composto por ingredientes como derivados de olivas, vitamina E, tapioca.
    corretivo
  • Cativa BB Cream
    Fator de proteção 20. Não é apenas um creme protetor que se ajusta à cor da pele como uma base fininha. Elaborado à base de óleos de café verde orgânico, de linhaça, de buriti e de physalis, com ativos minerais, ele ajuda a regular o brilho. Gostei bastante.
    Não tem perfume. Então se for caminhar ou se expor muito ao sol e suar, evite usar (vai lembrar da argila). Para praia e parque, “cara limpa” só com protetor solar ou chapelão mesmo.
    Nos dias mais secos ou frios em São Paulo, notei que ele não funciona como hidratante da pele… Mas como tenho pele mista a oleosa, no geral não costumo sentir falta de hidratante e ele pode ser aplicado diretamente na pele.
    Não chega a esconder manchinhas no rosto, mas é suave e suaviza a pele. Apesar de adaptável para todas as peles, para o meu tom de pele (no final do verão), me empalideceu um pouco, o marido me achou muito branca. Por esses motivos, vale ser usado com um pó ou blush – veja abaixo sobre o pó Bioart.
  • bb-cream

 

  • Pó Facial Nutritivo Bioart
    Geralmente uso sobre o BB Cream, mas pode ser usado sozinho e promove proteção solar natural. Há versões para vários tons de pele, e na versão média puxa para o marrom. Logo que colocado dá um ar bronzeado e esconde a vermelhidão das bochechas. Adorei!
    Composição à base de argila e tapioca.
  • po-facial-mineral-bioart

 

  • Rímel Natural Mineral Bioart
    Sou bastante sensível, principalmente na área dos olhos e gosto de dar volume aos cílios. No quesito sensibilidade, a máscara nutritiva para cílios natural preta da Bioart está aprovadíssima. Não me deu coceira, nem irritou, até esquecia que estava usando. Já volume não deu. Sua escova é mais para alongamento dos fios. Não chega a deixar o olhar “Emília”, com aquele olho de boneca, separadão (que eu não curto e é bem comum acontecer), mas é bem suave. Ou seja, provoca um efeito natural, ideal para o dia a dia. Boa qualidade, ótima fixação, não se desmancha no fim do dia provocando olheiras, é resistente.
    Composto de argila preta certificada, rico em vitamina E.
    Como toda linha de maquiagens da marca, vem com um espelhinho na ponta da escova, bonitinho. Produzem também nos tons marrom e marrom-ruivo.
  • rimel

 

Saiba mais:
Onde encontrar: em lojinhas bacanas como a Capim Eco, em Porto Alegre, em lojas virtuais como Morada da Floresta, Lohas Store, Natue e Beleza do Campo ou nas próprias lojas das marcas Bioart e Cativa Natureza.

Leia também:
Mais produtinhos para a mamãe vestir, usar e relaxar
A vez delas: quando (ou o quanto) permitir o uso de esmaltes ou outros cosméticos para as meninas?

Mural vivo

mural_antesdepois

Alguns pregos, um barbante, um martelo, uma tesoura. Precisamos apenas disso para montar um mural vivo para exibir as artes das crianças. Nunca mais vai usar fita crepe ou durex para prender um desenho na parede. E ainda decora a casa.

Não precisa nem de prendedores! Dependendo de como for fixado, o próprio barbante segura o papel, só passar por trás. Como os prendedores podem ser bonitinhos (de madeira decorados ou bem pequeninhos), são irresistíveis – e exercitam a articulação e a força das mãozinhas.

materiais

Usei esses pregos simples que já tínhamos em casa. E descobri o seguinte: se ao martelar ele começar a entortar, não insista. Pode ter encanamento atrás ou ser uma parede mais complicada. Nesse caso, prefira outro cantinho da casa.

E o melhor: é muito fácil para um adulto fazer em casa. Não precisa ter medo de martelo, nem ter furadeira. Esses preguinhos simples funcionam. Até eu consegui fazer sozinha 😉

Usei esse barbante que a vovó comprou e eu adorei, bem coloridinho e ecológico:

barbante

Você pode escolher o desenho ou só fazer um varal em vez de mural. Optamos por um ziguezague irregular na medida do móvel dos brinquedos. Mas poderia ter feito bem maior, mais horizontal e até ter usado menos barbante. Calcule o espaço que você tem e veja quantas folhas de ofício consegue pendurar para ter uma noção de tamanho.

Minha referência foi este mural que minha amiga Renata fez para as filhas dela:

Rê

Mãos à obra! Muita arte pra vocês!

 

Leia também:
Solução para os ouvidos – outra dica valiosa que aprendi com a Rê

Passeio: GramadoZoo

GramadoZoo / acervo pessoal

GramadoZoo / acervo pessoal

Há muitos posts atrás, me questionei sobre levar ou não levar a criança a zoológicos e parques com animais. Afinal, eles têm que conhecer os animais fora dos livros, preferencialmente de uma forma respeitosa.

Aproveitamos um feriado para visitar o GramadoZoo, localizado na Serra Gaúcha, na cidade de Gramado/RS. Classificado pelo público do Trip Advisor como o melhor do Brasil e um dos melhores da América Latina, o zoológico de Gramado é um passeio bem divertido para as crianças. Excelente para vermos ao vivo os bichos do Brasil. 

Curtimos muito! Estivemos lá pela manhã, quando havia um público bem tranquilo. Na saída, encontramos mais movimento, uma pequena fila na bilheteria. Fiquei curiosa pelo Zoo Noturno, visita à noite pelo zoológico, já que boa parte dos animais têm hábitos noturnos.

A onça-pintada é um dos animais de hábitos noturnos

A onça-pintada é um dos animais de hábitos noturnos * foto: zoológico de Gramado / acervo pessoal

Em funcionamento desde setembro de 2008, o GramadoZoo é enquadrado na categoria “A” do IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Ali, os bichinhos são bem tratados, considerando que são animais de cativeiro que ganharam um espaço razoável para circularem. Espaço limitado, muitos deles ficam isolados do público, mas dentro de uma área maior do que uma pequena jaula e em situação certamente melhor do que a de quando encontrados. Alguns têm até aquecedor para suportar o inverno frio de Gramado.

placa zoo gramado

foto: Gramado Zoo / acervo pessoal

É um zoológico de animais nativos do nosso país. Apesar de abrigar cerca de 1.500 animais de diferentes espécies, não vi uma variedade de aves como se vê voando livres por Porto Alegre – pelo menos na época que fomos, na chegada da primavera. Não é uma fazendinha, com cavalo, galinha, pintinho, galo, vaca, cachorro ou gatinho. Também não tem elefante, girafa, leão. Mas tem jacaré, cobra, onça pintada, onça preta, furão, ema, anta, capivara, cuati, macacos, cisnes, guarás-rubra (aves tão lindas, parecem flamingos). Ótima oportunidade de apresentar a fauna brasileira para as crianças.

Tucanos, papagaios e araras nos recebem aos gritos e com rasantes no GramadoZoo * foto: acervo pessoal

Tucanos, papagaios e araras nos recebem aos gritos e com rasantes no GramadoZoo * foto: acervo pessoal

Por já terem sido domesticados, alguns bichinhos são estrelas. Logo na entrada, fomos recebidos por uma arara que assobiava pra minha filha. Tentei fazer um vídeo, mas assim que a criança saiu dali, quem disse que ela faria um assobio para a câmera? O começo é a melhor parte do passeio: entramos num viveiro cercado no teto, onde tucanos, papagaios e araras voam no meio da gente, se exibindo e dando rasantes.

No final, uma estranheza, assim como no Aquário de Santos, no litoral de São Paulo. Não sabemos bem o que os pinguins estão fazendo ali. São pinguins-de-magalhaes resgatados no litoral de Santa Catarina que estavam intoxicados por um derramamento de óleo e, por isso, não puderam voltar ao seu habitat.

A estrutura para os visitantes é simples. A lanchonete é uma oca e não tinha muita oferta de comida quando fomos, mas o passeio dura o tempo ideal para segurar a fome. Há ração para os animais à venda por R$ 4 em alguns pontos do parque.

Como todo museu, terminamos a volta na lojinha, cheia de lindos bichos de pelúcia bem brasileiros. Se quiser adquirir alguma coisa, se prepare, não são lembrancinhas. Difícil encontrar algo interessante por menos de R$ 50. A camiseta infantil (feita de PET) custa R$ 45, a média de preço dos bichinhos é de R$ 80 ou mais.

A entrada não é uma pechincha também. Pelo menos criança só paga a partir dos 3 anos. Atualmente, custa R$ 54 por adulto, R$ 27 a criança, R$ 27 terceira idade. Por R$ 1,00 a mais, você pode seguir passeando no Parque Gaúcho, que não tivemos tempo de visitar.

Leia mais
Dica de leitura
Principalmente para for ao passeio noturno, recomendo quem leiam antes “O Leão Filósofo, Serafim e Outros Bichos”, de Marlene de Castro Correia, editado pela Pequena Zahar. É uma ficção infantojuvenil sobre alguns animais do zoológico do Rio de Janeiro que lutam para bater um papo livremente à noite, fora do “horário de trabalho”, e vão atrás desse e de outros direitos. Interessante a comparação com um zoo que tem até aquecedor para os bichinhos.

Links
GramadoZoo – site oficial
Como conscientizar as crianças sobre os animais?