Sol no Carnaval

sol
Eis que minha filha decidiu se fantasiar de Sol no Carnaval. Antes de saber que faria sua própria fantasia em aula para o “desfile da escola”, a ansiedade foi maior e quis criar seu figurino em casa. Isso que inicialmente estava pensando em pular de bailarina e, “para o ano que vem”, ela disse, iria de Sol. Imagina, esperar até o ano que vem!

Eu mesma não estava visualizando como ela imaginava esse Sol, precisava de tempo, me inspirar para separar ou comprar os materiais necessários. Nada disso. Sábado passado, uma semana antes do feriadão, o limite foi o almoço. “Preciso ir pra casa preparar minha fantasia!”, exigiu. Então a família toda entrou na roda, tio, tia, vó, mãe.

Dei uma saída, quando voltei, ela já estava no chão da cozinha, com vários potinhos de tinta têmpera que a vovó alcançou, pintando (sobre o forro que a gente sempre usa para atividades) um pedaço de papelão que eu tinha separado. Era um lado de uma caixa de brinquedos, já com um círculo recortado no meio, que ela pediu que o tio Carlão recortasse do tamanho que passasse na sua cabeça. Já não era mais uma máscara, era a fantasia que ela estava imaginando. E continuou pintando somente o lado pardo, não o impresso.

Precisamos negociar para recortar os raios de sol, que ela já estava pintando. Tia Tata, engenheira, calculou para que mantivesse o desenho redondo. Para preencher os espaços vazios, a pequena usou rolinho de pintura e fez uma mistura “quente” de amarelo, laranja, vermelho e cor de rosa. Puxou mais para o laranja escuro – era o sol do fim da tarde do verão (ela mesma justificou). Para finalizar, assim que a tinta secou um pouco, pintou com pincel seus raios de sol amarelos. Ela adora sobrepor tintas e cores, assim algumas das pinceladas antigas da primeira camada aparecem discretamente por baixo da cobertura de cores bem quentes.

E agora, comprar malha e sapatilhas amarelas que ela nunca mais usaria para compor o look? Essas sapatilhas de tecido, perigosas de usar na rua? Quem sabe um pano, um lenço… Lembrei de uma echarpe amarela que ganhei e quase nunca usei (talvez para torcer pelo Brasil, no máximo)! Ela viu o pano e já imaginou um vestido. A vovó cortou bem no meio uma passagem para a cabeça e costurou. Com os fios na parte de baixo, ficou um pouco comprida, vai precisar usar um cinto ou ajustaremos na cintura com elástico. É transparente, mas ficou uma túnica que pode ser usada sobre qualquer roupa.

fantasia

Faltou a foto dela vestindo o figurino, eu sei… Para entenderem: ela usa com o lado de trás dos raios para o alto e a parte da frente para baixo – abaixo do pescoço. Tem os movimentos bem livres e consegue se vestir sozinha.

Então, faça chuva ou faça sol (a previsão infelizmente é de chuva para as bandas paulistanas, Capital e Litoral), teremos nosso sol particular nesse Carnaval 🙂 Agora é só escolher um bloquinho infantil ou sair sambando fantasiada por aí. Pois no bailinho da escola já não poderá ir brilhar de Sol, vai seguir o bloco da turma.

 

Para completar a folia:

tambor_ok
Fizemos em casa um tamborzinho reciclado. O ideal é fazer com uma latinha. Na falta, usamos um copo de plástico de Requeisoy (o requeijão vegano), um retalho de balão (ou “bexiga”, casualmente combinando com o figurino, laranja) que tínhamos guardado, um atilho (elástico desses de banco, pra quem não entende português gauchês – pra mim elástico e atilho são coisas completamente diferentes) e finalizamos com uma fita adesiva, dessas coloridinhas de base de papel, mas podia ser uma tira de retalho de tecido, qualquer coisa.

Não chegamos a colocar nada dentro. Podíamos ter aproveitado que é transparente para colocar pompons no recheio ou papéis coloridos… Ou grãos de feijão, alguma coisa que fizesse ainda mais barulho como chocalho, como neste brinquedo caseiro do link.

Em anos anteriores, fizemos chocalhos com embalagens reaproveitadas e cereais ou sementes.

E pra dar mais cara de Carnaval ainda, mas não poluir tanto a cidade, nosso confete vai ser de folhas secas que pegamos no parque. Fizemos furinhos nelas com furador de bolinhas e furador de estrelinhas. O que sobrou, picotamos com tesoura. Nem precisa ser tão pequeno pra jogar. Ainda vira adubo natural onde cair!

Minha filha recém aprendeu com outra menina num bailinho a jogar confetes para o alto. Não botei muita fé, mas decidi fazer um “confetti popper” ou lançador de confete pra ficar mais divertido com: meio balão (de preferência furado ou abandonado), copo de papel sem a base (recortar) OU rolo de papel higiênico OU topo de uma garrafa PET recortado, atilho ou borrachinha (elástico) e fita adesiva ou laço. Como a gente não usa rolo de papel com rolinho no meio e eu tenho pena de desperdiçar nossos copinhos de papel descartáveis de festa, aproveitei que tínhamos uma garrafa PET e a cortamos no meio, quase 1/3, aproveitando apenas o “funil”, a ponta da tampa. Não tinha certeza se ia funcionar, até porque o pedaço de balão que usamos estava meio rasgado. Não tem problema. Deu tão certo que, quando eu estava testando, a vovó entrou na sala e levou um susto! Salta muito alto! Diversão na certa, mesmo com poucos confetes ou picotes.

 

Leia mais:
Carnaval é percussão @ blog da mamãe sustentável

Advertisements

Mural vivo

mural_antesdepois

Alguns pregos, um barbante, um martelo, uma tesoura. Precisamos apenas disso para montar um mural vivo para exibir as artes das crianças. Nunca mais vai usar fita crepe ou durex para prender um desenho na parede. E ainda decora a casa.

Não precisa nem de prendedores! Dependendo de como for fixado, o próprio barbante segura o papel, só passar por trás. Como os prendedores podem ser bonitinhos (de madeira decorados ou bem pequeninhos), são irresistíveis – e exercitam a articulação e a força das mãozinhas.

materiais

Usei esses pregos simples que já tínhamos em casa. E descobri o seguinte: se ao martelar ele começar a entortar, não insista. Pode ter encanamento atrás ou ser uma parede mais complicada. Nesse caso, prefira outro cantinho da casa.

E o melhor: é muito fácil para um adulto fazer em casa. Não precisa ter medo de martelo, nem ter furadeira. Esses preguinhos simples funcionam. Até eu consegui fazer sozinha 😉

Usei esse barbante que a vovó comprou e eu adorei, bem coloridinho e ecológico:

barbante

Você pode escolher o desenho ou só fazer um varal em vez de mural. Optamos por um ziguezague irregular na medida do móvel dos brinquedos. Mas poderia ter feito bem maior, mais horizontal e até ter usado menos barbante. Calcule o espaço que você tem e veja quantas folhas de ofício consegue pendurar para ter uma noção de tamanho.

Minha referência foi este mural que minha amiga Renata fez para as filhas dela:

Rê

Mãos à obra! Muita arte pra vocês!

 

Leia também:
Solução para os ouvidos – outra dica valiosa que aprendi com a Rê

Lembrancinha: esfoliantes

esfoliantes
Uma boa ideia de lembrancinha para um chá de bebê (ou “chá de fraldas”) é presentear a mulherada com um esfoliante feito por você. Eu fiz potinhos de esfoliante orgânico para os pés para as mulheres da família no último Natal. Testei antes e adorei, pois é uma receita simples, que também hidrata. Perfeita para o verão.

Para embalar, usei:
– potinhos de vidro pequenos de papinhas do meu sobrinho;
– retalhos de tecido que tinha em casa para cobrir a tampa;
– fita barbante para amarrar;
– etiqueta para identificar e deixar um recadinho.

Ingredientes:
– 3 xícaras de açúcar;
– 1 xícara e 2 colheres (sopa) de óleo de boa qualidade;
– 10 gotas de óleo essencial bem cheiroso.

Usei um açúcar cristal orgânico, o azeite de oliva Andorinha orgânico e o óleo essencial de hortelã mentha arvensis (ou hortelã-pimenta) da Herbia. Basta misturar todos os ingredientes e colocar nos potinhos. Não precisa guardar na geladeira, a não ser que você não consiga fechar bem a tampa e tenha muitas formigas em casa.

É uma receita segura para gestantes, por isso é legal como lembrancinha para o chá. Ou, a quem interessar, pode ser um projeto de brinde para o Dia das Mães! Se o barrigão não permitir alcançar o calcanhar, peça ajuda para alguém massagear seus pés.

Mais esfoliantes
Aprovado o esfoliante para os pés, experimente outros esfoliantes caseiros e naturais! O rosto é sempre mais delicado, por isso o peeling pode ser feito apenas uma vez por semana.

Pronto para o rosto
Se não quiser arriscar, o melhor e mais natural esfoliante para o rosto (industrializado) que testei foi o da Surya Brasil, da linha Sapien Women – a cor de argila pode assustar a quem não está acostumado com cosméticos naturais, mas o cheiro é incrível.

Sem desperdício
Você pode aproveitar um shampoo infantil que não esteja usando no seu bebê e lavar o rosto com ele e uma pequena quantidade de borra de café para fazer a esfoliação semanal.

Para o rosto e corpo
Essa receita não testei, mas é indicada para o rosto e corpo – só não é vegana: fazer uma mistura homogênea com farinha de milho (fubá) e mel, aplicar nas partes onde quer esfoliar. Pode ser com mel e açúcar. Recomenda-se lavar antes o rosto com água morna para abrir os poros. Depois, enxaguar com água fria para fechar.

Saiba mais:
Sementes de lembrancinha
Para as mamães relaxarem
Os rótulos dos cosméticos
Shampoo da cabeça aos pés

Aniversário saudável

receitas de docinhos sem açúcar para festa de criança

A mesinha dos bebês na festa foi aprovada pelos pequenos. Na foto, nossa priminha Luísa escolhendo um docinho sem açúcar

Para os primeiros aniversários das crianças, é possível oferecer na festa comidinhas saudáveis, sem contra-indicação para o bebê. Essa foi nossa escolha para comemorar 1 ano da Dora, como já havia contado. Foi um sucesso entre pequenos e grandes!

Inspire-se e experimente algumas das receitas que incluímos no cardápio da festinha:

Muffin de banana sem farinha
2 bananas nanicas pequenas e maduras
1 ovo caipira
50ml de leite de coco
canela para polvilhar

Bater todos os ingredientes no liquidificador, colocar em forminhas previamente untadas, polvilhar canela. Assar em forno médio até dourar (25 a 30 minutos). Servir na temperatura ambiente (fica mais doce).

Se fizer em casa e ainda amamentar, pode usar 50ml de leite materno em vez do leite de coco.

Receita original da nutri da Dora.

Cookies de banana (vegan)
1 banana madura
2 colheres de sopa de aveia (bem cheias, às vezes coloco 3 para uma banana média)
1 colherzinha de café de canela

Mistura tudo. Faz bolinhas. Leva ao forno em fogo baixo por 15 minutos. Para ficar mais doce ao paladar adulto, além da banana mais madura, pode acrescentar passas de uva. A prima da Dora já fez com cacau alcalino e aprovou.

Receita também da nutri.

Pão “sem queijo” funcional (vegan)
500g de mandioquinha cozida e amassada (sem casca)
500g de polvilho azedo
2 colheres de chá de sal
3 colheres de sopa de chia
150ml de azeite de oliva
água em temperatura ambiente (medida de olho, o suficiente)

Misture o polvilho com azeite, sal e chia. Forme uma farofa. Adicione a mandioquinha e amasse bem. Adicione aos poucos a água até a massa ficar gostosa de trabalhar e desgrudar das mãos. Fazer bolinhas e assar até dourar – fica com uma casquinha crocante (se assar demais, ressaca por dentro e lembra biscoito de polvilho, mas no ponto fica com uma textura deliciosa e “puxa” como pão de queijo).

Mais uma receita da nutri.

Cachorrinho de legumes
Os cachorrinhos de legumes são receita da vovó adaptada para a festa, mas os detalhes ela não anotou. A ideia é uma massinha de pão feita sem leite (substituiu por água morna) recheada com tirinhas legumes como abobrinha e cenoura. Enrola os legumes como se fosse um rocambole. Em cima do pãozinho vai gergelim. Pode ser pré-assado, congelado e aquecido na hora da festa. Há opção de fazer o recheio de maçã ou banana com canela, mas gosto mais da versão salgada.

Na foto já publicada da mesinha das crianças, vocês podem ver que servimos também comidinhas de colher. Foram sagu de uva, feito sem adição de açúcar, com suco de uva natural – pode ser com o engarrafado, mas a vovó faz com uva preta mesmo, cozinha na panela. Ainda não aprendi a fazer esta receita! E também um mousse de cacau com banana sem açúcar, mas que não vou dividir aqui, porque a Dora não curtiu muito. Na mesinha colocamos, ainda, bolinhos pequenos do mesmo bolo principal (conto em breve a receita).

Saiba mais:
No blog da nutricionista da Dora, que é especializada em nutrição infantil, há mais receitas legais (gostosas, práticas e saudáveis) para crianças
Escrevi um post sobre nossa experiência com leites vegetais – quem tem bebê com APLV pode usá-los para substituir o leite nas receitas com leite de vaca
E também receitas de drinks sem álcool para mamães e gestantes