Como dar banho no bebê

Como dar banho no nenê?

Dora ensina como dar banho na boneca

Dar banho era possivelmente minha maior inquietação antes de ser mãe. Trocar fralda, amamentar, pegar no colo, não temia nada disso. Já o banho… Tanto que deixei o papai se encarregar dele nas primeiras vezes, e aproveitamos todas as dicas das enfermeiras no hospital.

Como mãe de primeira viagem, fiz um curso numa maternidade sobre os cuidados básicos do bebê. Fiquei bastante apegada àquele passo-a-passo. Agora que já não seguimos os passos e a Dora já sabe (na teoria) como tomar (e dar) banho, vou repassar os pontos para vocês, comentando como pode ser mais sustentável.

Primeiro: lavar a cabeça
Mesmo o banho de hoje começa pela cabeça, principalmente se usamos shampoo e sabonete no lugar do sabão líquido da cabeça aos pés. Assim não irrita os olhos, pois a água da banheira ainda não tem espuma.

Rosto e região dos olhos: apenas água morna
Esta etapa você pode fazer ainda no trocador, antes de despir o bebê. Se esquecer, não tem problema deixar para o final, quando for colocar a fralda.

Prefira usar a água quentinha da térmica de limpar o bebê (da troca de fraldas) e não a da banheira, onde há resíduos de sujeira ou sabão e pode infeccionar os olhos – recomendação de um oftalmologista. Na aula do hospital, indicavam algodão. Em casa, você pode usar lencinhos de fralda de pano, dessas fraldinhas de boca, limpas e passadas a ferro.

Atenção: (quando removemos a maquiagem, muitas vezes nos confundimos) a forma correta é limpar as pálpebras de fora pra dentro. Ou seja, se há alguma sujeirinha, ela será descartada pelo cantinho interno do olho, próximo do nariz.

Orelhas
A recomendação oficial é limpar a área mais externa da orelha com cotonete, cuidando para não empurrar a sujeira para dentro. Esta é a etapa menos sustentável, visto que no Brasil não se encontra cotonetes biodegradáveis. Tanto faz se é infantil ou adulto. À medida que o bebê cresce, não vejo necessidade de limpar a orelha diariamente, a não ser que tenha enfrentado muito vento ou se brincou na areia da praia ou da pracinha.

Primeiro passa cotonete com água morna. Depois passa a outra ponta seca para secar a orelha. Por dentro e por fora. Cotonetes diferentes para esquerda e direita. Dois cotonetes ao dia… O ideal seria usar um cotonete de haste biodegradável e algodão orgânico.

O problema maior das hastes flexíveis comercializadas (mesmo as infantis) não é o fato do plástico da haste não decompor, mas a composição do algodão. Além de sofrer processo de branqueamento, há outros químicos bactericidas anti-mofo que podem ser prejudiciais à nossa saúde. Em vez de usar o mimikaki (haste japonesa de bambu para remover a cera do ouvido), já que o correto é não remover a cera, uma sugestão é simplesmente limpar as orelhas com o paninho ou com a própria toalha de banho. A cera pode derreter sozinha e voltar ao ouvido naturalmente, sem que você perceba. (Quando notava que minha filha estava “entupida” e queria “sugar” a umidade do ouvido, usava a técnica da cebola.)

Como enrolar o bebê?

Baixa o bracinho e enrola, baixa o outro bracinho e enrola. Pode ser com um cueiro, uma fralda de pano, um cueiro moderno ou mesmo com uma toalha de banho infantil. Fazia isso já sem fralda

Cabelos
Antes de lavar os cabelos ou para toda essa primeira etapa do banho, você pode enrolar o bebê num cueiro (swaddle), prendendo seus bracinhos. Apóie o bebê no antebraço esquerdo (se for destro) e com a mesma mão segure a cabecinha do bebê. Se conseguir, tampe os ouvidos do bebê com o polegar e um dedo da outra extremidade (dedo médio), para não entrar água. A mão oposta (direita) fica livre para manusear o shampoo e passar água na cabecinha do bebê.

Observe que nesta etapa o bebê não fica submerso na água, está no colo, apenas sua cabecinha é lavada. Esta técnica pode ser usada com qualquer tipo de banheira, mesmo antes de entrar no ofurô. Você não precisa dela, entretanto, se preferir dar banho na ducha, no seu colo – neste caso, apenas segure o bebê diretamente no seu colo, em contato com sua pele, e molhe-o delicadamente com o auxílio de uma das mãos.

Corpo
Desenrole o bebê e coloque-o na água, cuidando para que tenha apoio no bumbum e na cabeça. Enquanto o bebê não senta, a redinha dá bastante segurança aos pais. Para não escorregar da banheira (mesmo depois que senta), você pode colocar uma fralda de pano grande no fundo. Esta pode ser a etapa mais temida para pais e bebês! Para o bebê curtir esta parte do banho, certifique-se de que a água esteja morna (35 a 37 graus) e que tenha bastante água para cobrir o bebê. Por isso recomendo o ofurô: pouca água é suficiente para cobrir o bebê até a altura dos ombros.

Você pode dar banhos de aveia para hidratar a pele sensível e delicada do bebê.

Coto
Nas primeiras semanas do recém-nascido, é preciso limpar o coto. É a parte final do banho, depois que já saiu da água. Diferente do que costuma ser ensinado (passar cotonete), um dos primeiros pediatras que atendeu nossa filha receitava aplicar as gotinhas de álcool 70% diretamente no coto, mesmo que parecesse ficar “encharcado”, pois isso auxilia e acelera a secagem do coto e evita infecções que um cotonete pode causar.
 

Esse procedimento completo pode ser seguido até não termos mais força no antebraço ou o bebê sentar sozinho. Perto dos 10 meses, o bebê fica mais inquieto, podendo ser distraído com brinquedinhos ou livros para banho. Aproveite para ensinar as partes do corpo enquanto dá banho no seu filhote desde bebezinho!

Saiba mais:
Banho sustentável é no ofurô
Como dar banho de aveia
Três marcas de sabonete líquido “da cabeça aos pés”
A tal da redinha
Um vídeo que ilustra a lavagem da cabecinha
Detalhes que fazem diferença para menos desperdício

Advertisements

5 utensílios para alimentação

Esses cinco itens se tornaram peças importantes da introdução de alimentos da Dora. Recomendo muito:

1. Prato de fibra vegetal
Ganhamos no aniversário de 1 ano da Dora e ficamos fãs. Parece um prato de cerâmica, lindinho. Mas não quebra e é feito de matéria-prima de origem vegetal. Da marca Green Sprouts.

green-sprouts-plate

2. Copo de metal
Feito no Brasil, existe há décadas com o mesmo desenho. Mantém a bebida geladinha. Não quebra. Não tem BPA, é de inox. É reciclável. Da linha infantil da Hercules. Dora aprendeu cedo a tomar sozinha água ou suco no copo.

copo_infantil_hercules

3. Pote térmico para viagem
Os potes da Thermos parecem para líquidos ou cremes. Sempre levei comidinhas sólidas ali. Conserva até 7h quentinho – pode guardar do almoço para a janta ou levar para almoçar fora. Também mantém gelado – perfeito para guardar um cachinho de uva, ela continua intacta e fresquinha na hora do lanche.

O nosso é o Dora funtainer food jar, compramos esse da Dora Aventureira com desconto. Pela minha pesquisa, está mais caro, mas existem modelos lisos ou de outros personagens, como o da Minnie Mouse.

Dora_funtainer_food_jar

4. Talheres BPA free
Esse conjunto de talheres First Steps a Dora ganhou de presente e foram os mais usados. A cabeça da colher é de um tamanho médio, não tão pequeno como algumas colheres de silicone, não tão grande como algumas colheres de sobremesa. Eles são muito leves e curtinhos, então a criança consegue pegar sozinha com precisão. O garfo-colher é delicado, e é incrível como logo cedo o bebê pode começar a fincar os alimentos e comer com o garfo sozinho.

first_steps

5. Babeiro com papa-migalhas
Compramos viajando esse da Chicco, que só fabrica nessa cor. Tendo um babeiro assim, não precisa de mais nenhum outro, diferente do que já falei por aqui. Fácil de limpar, muito prático para viagem. No Brasil, por enquanto, infelizmente, a marca só vende babeiros descartáveis, mas não é difícil encontrar outros babadores impermeáveis com bolso (de outras marcas).

chicco_it

 

Veja mais:
Experimentei: saquinho para lanche
Dispensáveis e indispensáveis
Alimentação do bebê: por onde começar?

Detalhes que fazem diferença

sem desperdício
Tomar banho mais rápido. Fechar a torneira para escovar os dentes. Andar mais a pé ou de bicicleta, pegar transporte público sempre que necessário, deixar o carro mais em casa, dar carona. Isso que todo mundo já escutou é só o começo. Sempre há mais o que fazer, mais a economizar, menos impacto a gerar quando estamos alertas com a sustentabilidade.

10 atitudes que parecem detalhes, mas são eco-friendly:

1. Dar banho de ofurô gasta menos água (se não é sempre, por que não uma vez por semana?);

2. A água do banho do bebê pode servir para deixar alguma roupinha ou fralda de molho;

3. É melhor varrer do que lavar a calçada, mas água do balde pode servir para limpar a calçada;

4. Esfriou a água da térmica para limpar o bebê, reaqueça a mesma água e reutilize;

5. Se você usa água morna para limpar o bebê na troca de fraldas e sobrou água na tigela, despeje-a num vaso e regue uma planta;

6. Se cozinhou um ovo, fez legumes a vapor ou aqueceu alguma comida em banho-maria, use a água morna para começar a lavar a louça ou espere esfriar e regue uma plantinha;

7. As cascas de ovo e as cascas de frutas podem ser aproveitadas para uma “vitamina” para regar as plantas;

8. Para evitar desperdício (além de dar bom exemplo e comer tudo), sirva aos poucos o pratinho do seu filho;

9. Reutilize embalagens antes de jogar no lixo seco (potes de geléia podem servir para armazenar leite materno ou doces; garrafinhas de shampoo de hotel podem virar chocalho; garrafas de suco podem servir para armazenar água ou chá gelado num piquenique, etc.);

10. Se você está sem o bebê para sair de casa, sem carrinho ou colo, não chame o elevador e desça ou suba as escadas.

Se todo mundo abrir mão ou fizer um pouquinho, a economia pode ser gigante. Já colocou um balde debaixo de uma torneira que pinga? Melhor consertar a torneira logo, pois não demora muito para o balde transbordar. Assim, de conta-gotas, fazemos a diferença, mesmo que devagarinho.

Experimentei: saquinhos para lanche

candytree
Tive o prazer em testar dois tamanhos de saquinhos reutilizáveis da Candy Tree. São as reusable snack & everything bags Snack Happens, da Itzy Ritzy, nos tamanhos 17.78cm X 17.78cm (grande, de 7″) e 17.78cm X 8.9cm (kit de duas embalagens pequenas). Com fechamento em zíper, impermeáveis, laváveis, os estojinhos para comida e tudo mais são seguros para alimentos, livres de ftalatos, PVC ou chumbo.

MonkeyMania

As estampas são lindas. A Dora ficou encantada com os macaquinhos do estojo maior. O desenho se chama Monkey Mania. No Instagram da Candy Tree, vocês podem ver outras estampas adoráveis também!

banana

Aproveitei um final de semana de viagem para fazer o teste. O menor não é tão pequeno assim: pude colocar todos os biscoitos de banana que fiz (receita com quatro bananas, eram quase 20 biscoitinhos). Na peça gêmea, coloquei frutas secas. No saco maior, que pode comportar um sanduíche (em pão de sanduíche quadrado grande), resolvi levar muitos biscoitos de arroz, para não precisar levar o pacote inteiro.

Fiquei impressionada com o forro. É uma espécie de “korino”, couro sintético, muito fácil de limpar. Outros saquinhos que já improvisei para fins semelhantes, como os de fralda suja, absorventes de seio ou duas necèssaires que já separei para carregar talheres, babeiro ou frutas não eram tão práticos – mesmo os impermeáveis eu lavo na máquina. Os novos posso limpar com esponja e detergente!

forro

Como é fofinho e impermeável, você pode usar para guardar iPod, Kindle, maquiagem, acessórios do bebê e, por que não, comidinhas. No final da viagem, o copo anti-respingo da Dora vazou (pra variar) dentro da bolsa, no mesmo canto de um dos saquinhos, que resistiu sem molhar o conteúdo. Aprovado nesse quesito.

Todavia, recomendo mais para lanches do mesmo dia e frutas frescas com casca. O fechamento em zíper não é equivalente ao fechamento a vácuo, como o dos sacos zip. Enquanto os biscoitos que ficaram em casa na embalagem original aberta (tipo saco zip) continuaram crocantes, os que levamos murcharam em 24h, infelizmente.

Mesmo assim, fiquei muito feliz em ocupar bem menos espaço na bolsa com os saquinhos do que com os potes, que na volta carregaria vazios, tomando o mesmo espaço. Sigo usando com frutas secas e talheres.

O que fazer com os biscoitos de arroz?
Colocar um pouquinho no forno. Ficam até mais crocantes do que antes. Só não façam como eu, que deixei no timer e fui trocar uma fralda: queimaram.

Saquinhos gentilmente cedidos pela Candy Tree – muito obrigada, adoramos 🙂