Feijãozinho

feijao_marilia

foto: Marília – Uma brasileira na Croácia

Convidei a mamãe sustentável Marília, uma brasileira na Croácia, para nos contar sobre as lembrancinhas do aniversário da sua filha Maíra. Ela plantou feijão em lâmpadas incandescentes. Uma ótima ideia de lembrança também para chá de bebê, por exemplo, principalmente quando não se revelou ainda o sexo do bebê – que ainda é um “feijãozinho”.

Acho lindo decorar uma festa com lâmpadas pendentes recheadas com flores. A ideia da Marília, com o pezinho de feijão germinando, me surpreendeu pela graça, simbologia e originalidade. Não deixa de ser uma atividade Montessori para fazer com as crianças e permitir que acompanhem o desenvolvimento da plantinha – Marília aplica o método de Maria Montessori na educação de sua filha (e já me deu dicas valiosas, pelas quais sou muito grata).

Veja como fizeram:

Lembrancinha da Maíra: Feijão plantado na lâmpada!

Desde que vi as diferentes utilidades de uma lâmpada vazia no Pinterest da minha amiga Luísa, deste blog, fiquei encantada! Ano passado, usamos uma para fazer um arranjo de flores para o aniversário. Este ano procurei várias lembrancinhas ecológicas para fazer em casa para o aniversário da minha filha de 2 anos, mas não encontrei nada como eu queria. Aí me veio a ideia de plantar um feijão e colocar na lâmpada! A ideia era algo que ela pudesse acompanhar desde pequena, perceber a importância de cuidar todos os dias da plantinha e ver o seu crescimento. Funcionou direitinho!

Primeiro, assisti a uns vídeos no Youtube para ver como plantar, pois a última vez que plantei feijão foi num potinho de danoninho no jardim de infância! Tudo muito fácil e rápido, o famoso algodão embebido em água e no meio o feijão. Depois, plantamos em um pratinho de vidro, regando todos os dias e sempre deixando o algodão úmido e em local iluminado. Em três dias, começou a brotar, pois estava super quente. A cada dia, acompanhamos o crescimento, que é visível a olho nu! A Maíra ficou super entusiasmada e eu, mais ainda! Quando o broto tinha saído da semente, replantamos na lâmpada usando uma pinça. Colocamos 2/3 de terra e bem no meio, num buraquinho, o feijão brotado.

Hoje o feijão está em flor! A foto é de uma semana atrás. Fiquei super feliz com o resultado da experiência e continuamos diariamente regando e cuidando do nosso feijão! As crianças e as mães adoraram a lembrancinha e foi uma ótima oportunidade de reciclar e reaproveitar de uma forma criativa e bonita as lâmpadas usadas!

Muito lindo, né? Pode entregar a muda ainda no algodão também.


Saiba mais:
O passo a passo detalhado de como plantar feijão no algodão
Passo a passo com fotos de como trabalhar a lâmpada incandescente
O que Maria Montessori dizia sobre o contato com a natureza
Como a gente fazia na escola
Outras ideias de lembrancinhas
O blog da Marília
Pinterest da Mamãe Sustentável

Primeira consulta ao dentista

primeira consulta ao dentista: quando fazer?

Não precisa esperar o primeiro dentinho chegar, a primeira consulta ao odontopediatra deve ser bem antes disso *foto: Maturana/flickr

Como garantir uma dentição saudável do seu filho? Quando começar a se preocupar com isso? A nosso convite, a Drª Andreia esclarece essa dúvida:

Quando deve ser feita a primeira consulta ao dentista?

Essa é uma dúvida que muitas mães têm. Com que idade devo levar meu filho ao dentista?

O ideal é antes mesmo do nascimento, durante o período gestacional. É neste período que iniciam a formação e a calcificação dos dentinhos do bebê. Condições bucais desfavoráveis na mãe, como cáries e doenças gengivais, má alimentação ou ingestão de medicamentos, podem interferir diretamente na saúde bucal do futuro bebê.

Além disso, infecções gengivais severas não tratadas durante a gestação podem levar a complicações gestacionais, como partos prematuros e pré-eclâmpsia e à geração de bebês de baixo peso. A gestante, devido aos enjoos e refluxo, pode desenvolver erosão dental pela presença constante de ácidos na cavidade bucal. O aumento do estrógeno e progesterona, com presença de placa bacteriana, favorece a inflamação gengival. Por isso, quanto mais a futura mamãe souber em relação à sua saúde bucal, melhor será para o bebê, visto que os hábitos são transmitidos de mãe para filho.

A alimentação durante a gravidez também é importantíssima. Sabe-se que o paladar se desenvolve a partir da sétima semana de vida intrauterina e que os alimentos interferem na qualidade do líquido amniótico. A sacarose (açúcar) ingerida em excesso pela futura mamãe passa para o bebê através do líquido amniótico, e ele se acostuma a altas doses de glicose, desenvolvendo um paladar ávido por doces ao longo da vida, o que aumenta muito o risco de desenvolver cáries. A dieta da gestante deve ser rica em vitaminas A, C e D, cálcio e fósforo durante o primeiro e segundo trimestres de gestação, período em que os dentes de leite do bebê estão em formação e calcificação.

Por essas e outras inúmeras razões, é muito importante para a gestante fazer o pré-natal odontológico. Muitas vezes, quando recebo crianças pequenas para consulta, alguns hábitos de higiene e alimentação já estão instaurados e fica muito difícil mudá-los. Outras vezes, crianças muito pequenas, aos dois ou três anos de idade, já vêm com algumas necessidades de tratamento, o que é uma pena. Investir na prevenção ainda é a melhor maneira de proteger nossas crianças. Quanto mais cedo a mãe procurar auxílio, melhor para ela e para seu filho. Só assim poderemos vislumbrar um futuro livre de cáries e de outras doenças bucais.

Dra. Andreia Ziliotto Berlitz
Especialista em Odontopediatria-CRO/RS7536
Porto Alegre-RS
Email: deiaberlitz@terra.com.br

Leia também:
O primeiro post da Drª Andréia, Amamentação: o primeiro aparelho ortodôntico.

Foto: Maturana / flickr

 

 

Amamentação: primeiro aparelho ortodôntico

Mídia Ninja

Hora do Mamaço 2013 – Brasília/DF * Foto: Mídia Ninja / flickr

Como amanhã inicia a Semana Mundial do Aleitamento Materno, convidei a Drª Andreia, odontopediatra, para escrever sobre os benefícios da amamentação para a arcada dentária do bebê.

Amamentação x maloclusão dentária

A amamentação, por pelo menos seis meses de vida, além de trazer benefícios nutricionais, imunológicos e emocionais, fortalecendo o elo entre a mãe e o bebê, pode refletir na fala, na respiração, na deglutição e na dentição da criança.

Quando o bebê puxa o leite diretamente do seio da mãe (movimento de ordenha), fortalece a musculatura labial e ainda estimula o crescimento facial, a formação das arcadas dentárias e o correto posicionamento da língua. Durante a mamada, o bebê é obrigado a utilizar exclusivamente o nariz para respirar, o que evita a respiração bucal, responsável pela maioria das alterações nas arcadas dentárias. Ao mamar, a criança aprende a respirar, mastigar e deglutir de maneira adequada.

A amamentação ajuda bastante a prevenir problemas de maloclusão dentária. São as famosas mordidas abertas, mordidas cruzadas – mal posicionamento dos dentes e das arcadas dentárias. Assim, pode-se dizer que a amamentação funciona como o primeiro aparelho ortodôntico preventivo da criança.

Outro benefício da amamentação para a saúde bucal vem da isenção de produtos cariogênicos, como a sacarose. Dessa forma, surgindo os dentinhos na cavidade bucal, estão protegidos de cáries.

Dra. Andreia Ziliotto Berlitz
Especialista em Odontopediatria-CRO/RS7536
Porto Alegre-RS
Email: deiaberlitz@terra.com.br

Leia mais:
Hora do Mamaço 2014: dia 2 de agosto, às 10h
Hora do Mamaço 2013

 

Cebola: solução para os ouvidos

cebolaphones

Para gestantes e crianças, muitos medicamentos são proibidos ou ainda não foram testados. Nada melhor do que receitas saudáveis e caseiras para solucionar qualquer problema.

Deixo vocês com o depoimento de uma amiga que está se adaptando ao frio da Alemanha com a família:

“Filha de 5 anos, algumas semanas ou mais, surdinha, com os ouvidos entupidos (como muito comumente, só percebemos um tempo depois, quando se agravou por conta de um resfriado). No ano passado depois de alguns resfriados rápidos, ela se queixou ocasionalmente de dor nos ouvidos, também depois de umas idas à piscina, mas a dor passava. Imagino que teria sido o começo.
Oh, meu deus! E agora? Otorrino? Medicações? Drenagem?!!!
E viva a natureza.
CEBOLA nela!
Minha ajudante de cozinha teve duas vezes a metade da cebola dos almocos semi-picada, entroxadinha com papel toalha e amarrada com uma linda bandana nas orelhas. Assim, por fora mesmo. Meia horinha.
A primeira fez tchan. Ficou mais surdinha ainda! A mãe aqui não é ignorante e muito menos paranóica. Só pensou: ok, mexeu alguma coisa. Vamos de novo…
E na segunda já fez tchan tchan tchan tchan!
‘Mama, eu tô ouvindo tudo! Fala normal comigo! Eu posso te ouvir lá do outro lado!’
Há três dias ela está feliz da vida por ouvir de novo.
Eu tinha lido sobre isto há muito tempo e esperava a oportunidade de experimentar um dia. Vale pra dores de ouvido, tudo.
E agora canto o canto triunfante da ‘supermamae’ e recomendo!
Quantos médicos conhecem isso?”

supermamãe Renata, 16 de março de 2013

Saiba mais:
Outras receitinhas naturais para aliviar a dor de ouvido
No avião, já havíamos comentado em post anterior, as dicas são aspirar o nariz, amamentar durante o voo ou oferecer a chupeta