Técnicas para mudar de posição

Pediatras sempre me orientavam alternar as mamas e a posição que a minha filha fosse mamar. Assim evitaria dores, fissuras no bico (principalmente se a pega não estiver correta e forçar sempre a mesma região) e mamas empedradas ou ingurgitadas. Mudando o bebê de lado e de posição, esvazia bem as mamas, retirando o leite de todos os segmentos mamários.

Pois bem, as posições isoladas parecem fáceis. E como mudar o bebê de posição? O bebê vai ganhando peso, ficando comprido, haja braço para fazer tanta manobra. Precisa fazer tanto esforço?

Eu sempre fui muito atrapalhada e fiz excesso de esforço. Algumas técnicas eu usava quando amamentava usando o sling, mas nunca sem ele. E aí a Dora começou a brincar de amamentar as bonecas e me ensinou o óbvio! Sim, ela me ensinou.

Olha só:

Você pode começar a amamentar na posição que prefere de um dos lados. Por exemplo, na posição clássica na mama direita. Bebê mama no peito esquerdo da mãe e está deitado de lado, com os pés para o lado direito da mãe.

brincando de mamar, me ensinou a amamentar com praticidade

mama esquerda, posição clássica

Esvaziou esse lado ou cansou (você sentiu um desconforto no seio ou na postura ou o bebê parou de mamar, por exemplo). Então ofereça a outra mama.

Para mudar de lado, deixe o bebê na mesma posição, só puxe-o para o lado, posicionando a boca dele na outra auréola. Ou seja, não precisa levar a criança e deitá-la de novo. Se estava na posição clássica, agora está na posição invertida para o lado direito. Agora o bebê continua deitado do mesmo lado, mama no peito direito da mãe, mas seus pés continuam do seu lado direito.

Deslizando

Mamando do lado direito, na posição invertida: só “puxar” pro lado

Terminando, eu anotava em que mama parou. (Hoje, tanto faz, só observo se mamou dos dois lados.)

Passou um tempo, e o bebê quis mamar de novo. (Estima-se que esse intervalo seja de 1h30 a 3h do início da última mamada. Nunca maior do que 4h ou 5h, a não ser que seja madrugada e o pequeno esteja dormindo bem. O ideal é observar a criança e oferecer o peito em livre demanda.)

Agora você começa lá onde parou. Pega o caderninho ou aplicativo e continua, digamos, do lado direito. Dessa vez, começa na posição clássica do lado direito (se terminou desse lado, amamentando na posição invertida). Então, seguindo o exemplo, boca do bebê no peito direito, pezinhos para o lado esquerdo da mãe.

Posicionando a boneca

Posicionando a boneca

Depois, só leva a criança gentilmente e sem muito esforço para o outro peito. Então ela mama na posição invertida do lado esquerdo – peito esquerdo da mãe, deitado do mesmo lado, pés ainda à sua esquerda (aproveitando bem o apoio dos braços da poltrona de amamentação). E por aí vai, invertendo sempre.

Posição invertida, mama esquerda

Posição invertida, mama esquerda

Fácil, não?

Quando o bebê cresce, nada de fazer malabarismo com 15kg! Quer mudar de lado e tá grande demais pra posição invertida ou não tem onde apoiar? Senta a criança e pede pra mudar as perninhas para o outro lado, e ela deita e mama de novo, mas na outra mama. Aos 2 anos e 4 meses (agora, na edição deste texto, quase aos dois anos e meio), ela ainda pede para mudar de lado, geralmente mama umas duas vezes em cada peito. Cansada de levantá-la para mudar de posição e mudar de novo (ela é bem comprida), oriento que ela sente (coloque as pernas pra frente e pra fora) e então seguimos em frente.

Mudando de posição sozinha

Mudando de posição sozinha

A Dora me observa escolhendo roupas e sempre pergunta: “Tem botão a roupa minha? Tem botão a blusa minha? Abre?”. Fica muito feliz quando tem, que a bebê dela vai poder mamar.

Quando saímos para fotografar o mamá, ela pensou demais no assunto e pediu para mamar antes de brincar. Justo.

Saiba mais:
Sobre duto bloqueado, ver página 58 do manual da Sociedade Brasileira de Pediatria (em pdf)
Para visualizar melhor as posições de amamentação, uma cartilha
Amamentação no segundo ano
Amamentar no sling
Obstáculos da amamentação
O app que eu usei
Aplicativos para amamentação

Advertisements

Rotina

relógio de Vinil - por Rodrigo Terra / flickr
Nos primeiros dias de horário de verão, estou perdida e atrasada! Aos poucos, tento voltar à rotina da Dora. Espero que ainda esta semana a gente fique em paz com o relógio.

Eu achava estranho os pais que se apegavam muito a essa palavra, rotina. Achava exagero. A Dora passou alguns meses sem fazer longas sonecas, mesmo tendo uma certa rotina de atividades (dormia a noite toda na época). Hoje vejo a rotina como sinônimo de disciplina, organização e espaço, liberdade.

Acompanhem nossa rotina dos 2 anos e 4 meses da Dora até poucos dias:

Dorme na cama dela, vem para a cama do casal no meio da noite – talvez 4h ou 5h da manhã. Por volta das 6h mama (amanhecendo) e volta a dormir. Ao acordar, umas 8h, mama de novo, com preguicinha.

Depois que tomamos um café da manhã reforçado (ela come sozinha enquanto eu preparo meu suco), passeamos. Geralmente, vamos a um parque com pracinha. Ela toma água, se der fome no caminho (ou na volta), come castanhas e passas. Atualmente, ama castanha de caju. Compramos orgânica sem sal. Por volta das 11h pede pra mamar um pouco, nem sempre.

Entre 11h30 e 12h30, almoça. Quanto mais cedo, melhor come.

Logo que acorda ou esperando o almoço, fica animada para atividades artísticas, pintar, modelar, desenhar. Sempre é hora de escutar música e dançar ou ler livros.

A partir das 13h30, mama (leitinho materno de sobremesa) e dorme.

Normalmente dorme 50 minutos a 1h e pede pra mamar. Segue dormindo no colo mais 30-90 minutos de sono leve. Boa hora pra sentar na frente do computador e trabalhar um pouco. Às vezes faz uma soneca de 2h direto, geralmente pede pra mamar ao acordar quando é assim. Também faz soneca passeando de carrinho – pelo mesmo tempo (às vezes direto, outras vem pro colo e dorme mais, ou um pouco de mamá e cama). Quanto mais cedo faz a soneca, mais rende o dia – se gastar bastante energia de manhã, fica mais fácil.

O lanche da tarde costuma ser por volta das 15h30, depende um pouco da hora do sono.

Às vezes dá tempo de ir de novo pra pracinha à tarde também. Num dia ideal, seria assim. Geralmente saímos pela manhã e pela tarde.

O banho pode ser na volta da pracinha ou no fim do dia. Se atrasamos muito, é depois da janta, o que evitamos, para não dormir de cabelo molhado.

Janta cedo, a partir das 18h. Às vezes depois das 20h. Pelo menos uma vez por semana, até mais cedo, umas 17h30.

Dorme entre 20h30 e 21h30 idealmente. Nos dias mais agitados ou fora da rotina, pega no sono só perto das 22h. Lemos uma história (ou até cinco ou várias vezes) pra ela dormir. O papai adora assistir um desenho de 5 a 10 minutos antes de dormir – como ela chora pedindo mais ou chama a mamãe pra ler história, são raras essas noites. Não mama mais para dormir à noite, mas muitas vezes pede pra mamar antes de escovar os dentes.

Quando seguimos essa rotina, tudo flui, até sobra mais tempo pra gente. Difícil ter birra. Não fazendo a soneca ou mesmo com soneca menor que o habitual (menos de 1h ou depois de dias consecutivos dormindo pouco), já teve terror noturno, um pesadelo para os pais. Dormindo bem durante o dia, dorme bem à noite.

Ah, o relógio no meu pulso sempre ajuda. Quanto mais cedo forem as refeições, melhor se alimenta. E quanto mais cedo fizer a soneca da tarde (brincar na pracinha no sol da manhã colabora pra que isso seja possível), dorme mais cedo e é melhor sua qualidade do sono.

O que vocês me sugerem para não sofrermos com a mudança de horário? O que muda na rotina de vocês?

Leia mais:
Como identificar o choro do bebê de 0 a 29 meses – pode ser sono

foto: Relógio de Vinil, por Rodrigo Terra / flickr

Sebastião

Sebastiao
Não existe felicidade maior para quem escreve do que ter retorno de um leitor. No meu caso, ainda mais feliz ao ter recebido o contato da mamãe sustentável Luciana Portella, de Santa Maria/RS, que acompanha o blog desde o começo da gravidez e decidiu utilizar fraldas de pano no seu filho. Quando estava com 28 semanas, ela me mandou um e-mail para tirar algumas dúvidas. Recentemente, me escreveu de novo.

sebastiao1

Sebastião já está com 4 meses. E vejam que corajosa: em pleno inverno gaúcho, que, além de frio, é úmido, ela encarou usar fraldas de pano direto. Antes disso, o pitoco tinha 10 fraldas de pano modernas – então, até lavar e secar (lembrando que com umidade no ar, demora mais; nos primeiros meses, se troca mais seguido), era pouco. “Agora comprei mais. Está sendo ótimo, elas são gostosas e lindas”, me contou Luciana.

Sebastião

Sebastião em suas fraldinhas lindas e ecológicas

Ele está usando principalmente fraldas Dipano. Segundo sua mamãe, “são bem boas, parecem durar bastante”. Como todas, o único cuidado é com a impermeabilização. “Mas sempre faço um enxágüe extra e uso pouco sabão”, aconselha. Eles também gostaram bastante da Nós e o Davi. Das biodegradáveis, usaram no começo bastante as Wiona: “Muito boas, só são meio caras, mas achei bem melhor que as comuns da Pampers que experimentei junto”.

Luciana, esqueci de comentar. Se notar que impermeabilizou, não precisa esperar lavar mais uma vez. Usa assim mesmo, mas com um absorvente de algodão por cima (não dentro do bolso). Funciona superbem. Mesmo com uma fraldinha de pano Cremer bem dobradinha como absorvente. Depois lava de novo com pouco sabão!

LUCIANA

Mamãe Luciana

Quando a consultei para compartilhar a experiência dela com vocês, Luciana não hesitou. “O efeito que causa nas pessoas quando vêem as fraldas vale tanto quanto a economia de recursos que elas proporcionam.” Já podemos ver que ela está se saindo muito bem como mãe, mamãe sustentável e corajosa. Nas palavras dela, “a maternidade é uma vivência única, cheia de novas experiências”.

 

Saiba mais:
O que motivou este blog
Meus 5 motivos para usar fralda de pano
Um guia bem bacana pra quem tá começando

Desfralde noturno

Socorro bem-vindo: trio da Fralda Bonita

Socorro bem-vindo: trio da Fralda Bonita

Não imaginava que minha filha desfraldaria à noite também. Mas pouco depois de desfraldar, passou a pedir para não colocar fraldas para dormir. Acordava sequinha mesmo. E assim passamos meses sem xixi na cama em casa.

Se a gente morasse um pouquinho mais ao Sul, não teria feito o desfralde noturno ainda este ano. No frio, com umidade ou depois de passar um pouco de frio durante o dia (acostumada a tirar sapatos e casaco dentro de casa), os acidentes podem ser mais frequentes à noite. Pelo menos foi a nossa experiência neste inverno, visitando a família em Porto Alegre e passeando na Serra Gaúcha, em Gramado.

Confesso que estava com saudades de ver aquele bumbum fofinho protegido por uma fralda de pano linda. Tanto tempo sem usar, que já tinha esquecido de colocar fraldas na mala. E é sempre assim, não é? Esquece um item na mala, é desse que a gente mais precisa.

Na verdade dessa vez eu tinha levado. Uma. Só uma capa, mas nenhum absorvente extra para o bolso da fralda.

Que desespero! Nem lembro exatamente como fiz pra me virar nos dias seguintes. Passei praticamente a não dormir mais à noite. Estávamos dividindo quarto, então eu ficava esperta. A qualquer movimento dela para acordar e querer vir para minha cama, eu a chamaria para ir ao banheiro. E ela ía, bem zumbi. Se bem me recordo, a noite do acidente foi intercalada com uma noite seca e talvez mais uma noite molhada, algo assim.

Quem nos salvou foi a Bettina, da Fralda Bonita. Na manhã seguinte ao acidente, um sábado, liguei pra ela. Por sorte, minha sobrinha, que já não é mais bebê (temos 8 anos de diferença), estava em Gramado. Seria difícil pronta-entrega de tamanho grande, muito menos já lavada (temos que lavar cinco vezes pra tirar a goma do tecido antes de começar a usar). Casualmente, ela tinha algumas fraldinhas usadas e fez a gentileza de nos dar.

Como se não bastasse nos socorrer em pleno final de semana, ainda nos mandou um mimo. Um pinguim de pano fofíssimo, que a Dora amou, não largou e dormiu agarrada já naquela noite. Muita gratidão, Bettina!

Foi só voltar pra São Paulo, que ela já voltou a dormir sem fraldas. Para uma visita à família no RS em outubro, quando ainda tem feito frio (depois de um inverno quente lá também), estamos levando mais algumas fraldinhas de pano. E o presente da Bettina (exceto o brinquedo) está nos esperando na casa da vovó, por garantia!

Leia mais:
Os primeiros passeios sem fralda
Como lavar as fraldas de pano
Fraldas impermeabilizadas ou vazando? Veja o que fazer