Embalagem do lixo

descarte
Quando paramos para refletir sobre o lixo, parece não haver solução a não ser mudar de planeta, como me disse uma amiga esses dias. Reduzir é o segredo se estamos preocupados com essa questão. A forma mais eficaz possível para gerar menor impacto ambiental é cortar a fonte e não gerar lixo. Ou seja, em vez de tomar suco de caixinha ou garrafa, fazer o seu suco, aproveitando até a casca ou adubando a terra, fazendo compostagem com o lixo orgânico gerado. Para o lixo da cozinha, a composteira é uma ótima solução. E quando falamos em fraldas?

As fraldas de pano são duráveis e reutilizáveis, solução para gerar menos lixo. Os paninhos também, que podem substituir algodões ou lenços umedecidos. As fraldas descartáveis biodegradáveis, que teoricamente se decompõem em 5 anos, podem ser utilizadas por várias horas num bebê grandinho. No verão e no desfralde, o bebê pode ficar peladinho em casa ou só de calcinha/cuequinha.

O que fazer se gerarmos lixo, como armazenar e descartar esse lixo? Vamos reduzir sacos de lixo também!

Tenho pavor de sacolas dentro de sacolas, dentro de outras sacolas… Parece que aquele lixo está tão protegido que nunca irá se decompor. Perguntei a três ou quatro biólogas e engenheiras químicas, mas não obtive uma resposta definitiva sobre o fato de uma sacola dentro da outra atrasar a decomposição de seu conteúdo. Vamos lembrar que no caminhão de lixo muitos sacos grandes já se abrem, mesmo assim aquele plástico continua lá.

No condomínio onde moramos, há lixeiras com sacos de lixo em todos os andares para lixo orgânico. O lixo ali depositado deve estar embalado, pois eles fazem o possível para reunir os lixos, mantendo aquele saco na lixeira por mais tempo. Como não posso simplesmente pegar o cesto de lixo e despejar diretamente ali, procuro evitar acumular um saco dentro do outro em casa e utilizar uma embalagem de fácil decomposição. Assim, o lixo de fraldas pode ser embalado com o lixo de banheiro, por exemplo.

Para a lixeira das fraldas, fora as sacolas oxi-degradáveis, que são feitas para se desmanchar no meio ambiente (em alguns meses no sol, observe ela se desfazer em pedaços), mas não necessariamente deixam de ser tóxicas para o meio ambiente (elas não deixam de existir), prefiro usar:

– a embalagem das fraldas (as Wiona no Brasil estão vindo em sacos biodegradáveis, feitos de milho);
– o saco de papel da padadria, geralmente pardo (são perfeitos para embalar de uma a três fraldas, depende da capacidade, e no geral não seriam reciclados, porque além de muito amassados às vezes ficam também engordurados);
– uma dobradura com papel jornal, se temos jornal em papel em casa.

Para fazer a dobradura, o passo-a-passo é este aqui. No entanto, com o tamanho do papel dos jornais do Sul do país ou dos distribuídos gratuitamente na rua (tipo tablóide), o embrulho se torna pequeno para mais de uma fralda suja e frágil para uma fralda pesada, bem recheada.

O saco de papel de pão foi, por enquanto, a melhor alternativa para se livrar do cheiro do cocô matinal na fralda noturna no quarto. Já na casa da vovó, quando usamos fralda descartável, ela vai direto para a lixeira grande de lixo orgânico, sem precisar de embalagens menores. Pena que esses sacos grandes dificilmente são ao menos oxi-degradáveis.

Como é o descarte do lixo na sua casa?

Leia mais:
O lixo que não se desfaz – por EcoMaternidade
Sem desperdício – pensando nos mínimos detalhes

Advertisements

Forrinho

forro_rot

Passear com fraldas de pano é possível, sim. Fica mais fácil com um liner, bioliner, insert ou forrinho biodegradável, uma cobertura descartável que fica em contato direto com a pele do bebê e segura as fezes. Como um pedaço fininho de TNT (tecido-não-tecido), mas feito normalmente de bambu, é biodegradável. É vendido em rolo com aprox. 100 pedaços. Essa é uma dica para facilitar o uso de fralda de pano também no berçário, na creche ou mesmo na casa da tia ou da vó!

Não é garantia de que não passa o cocô para a fralda ou absorvente. Às vezes, se estiver mais líquido, pode “manchar” – ainda assim, uma sujeira muito mais fácil de limpar. Pode acontecer de se deslocar na fralda e deixar passar diretamente a sujeira. Por isso também não adianta experimentar usar em fralda descartável, não dá certo. Nesse caso, a chance de gerar mais lixo só fica maior!

No geral, basta embrulhar o cocô e colocar no lixo como uma fralda descartável – o que passa de sujeira para a fralda de pano sai com pouca água e uma esfregada antes de lavar ou pode ir direto pra máquina. O forrinho é suave ao toque. Como o pedaço é grande e não fica sujo por inteiro, uma parte ainda pode ser usada como lencinho (apesar de não ser umedecido), muito prático. Se tiver cocô, certamente tem uma ponta intacta que você pode usar para tirar o excesso que grudou na pele do bebê. Assim já economiza em algodão, lenço umedecido ou na lavagem de um paninho. Depois de remover o excesso, você faz a limpeza como de costume.

O forrinho também pode ser útil caso precisar passar pomada no bebê, se ele estiver assado. Pomadas não combinam com fraldas de pano, podem deixá-las impermeabilizadas. Se precisar mesmo usar, proteja a fralda de pano com o liner.

Estamos usando os forrinhos que comprei em viagem em março do ano passado. O Windeleinlage (forro de fralda) da Tradeline Handels encontramos na Áustria, vinha de Pucking. Pra quem não entende alemão, o rótulo é incompreensível, mas quem está atenado nos acessórios para fralda de pano, rapidamente identifica – relendo o rótulo, não lembro como tive certeza do que era, mas talvez estivesse captando melhor o idioma inserida na viagem. Fácil de achar, vimos na primeira farmácia que entramos em Viena. Este é feito de celulose, parecendo um papel higiênico mais grosso e macio. É resistente ao rasgo, branqueado com oxigênio e compostável.

forro austríaco de celulose

forro de celulose

Tá certo que economizo, prefiro usar quando viajo, em alguns passeios ou em horário em que é mais provável que a bebê faça cocô. Os pedaços são grandes, algumas fraldas parecem menores que o papel no comprimento e largura, mas se ajusta no corpo da criança. Já vem subdividido, com 100 pedaços apenas! O interessante é que não há suporte dentro do rolo, como no papel higiênico.

Agora, com o racionamento de água em São Paulo, os forrinhos descartáveis são ainda mais úteis, pois muitas vezes equivalem a uma lavagem. Pelo menos economiza aquele jato d’água antes de lavar para retirar o excesso de cocô. Eu certamente o usarei mais no período de “rodízio” de água do prédio, que começa hoje.

No Brasil, sei que a DiPano e as Fraldas de Pano Biolinum vendem rolos de liners para fraldas de pano. Das Fraldas Ecológicas Biolinum, usei e gostei, eram importados e estavam esgotados até eu publicar este texto. A DiPano foi a primeira que vi vender no Brasil e oferece dois modelos: feito de milho ou feito de bambu. Já cortei pedaços de TNT para usar como liner, mas nem sempre o TNT à venda é o ideal pra este fim, fino e absorvente o suficiente, além de ser difícil termos certeza de sua composição – assim ainda vale mais a pena procurar os forrinhos específicos para fraldas de pano.

Leia mais:
Forrinhos Eco-Refil Bambu da Biolinum – resenha
Derrubando mitos e bactérias – fraldas na creche?
Como funcionam as fraldas de pano – montando um kit
5 motivos para usar fraldas de pano