Sebastião

Sebastiao
Não existe felicidade maior para quem escreve do que ter retorno de um leitor. No meu caso, ainda mais feliz ao ter recebido o contato da mamãe sustentável Luciana Portella, de Santa Maria/RS, que acompanha o blog desde o começo da gravidez e decidiu utilizar fraldas de pano no seu filho. Quando estava com 28 semanas, ela me mandou um e-mail para tirar algumas dúvidas. Recentemente, me escreveu de novo.

sebastiao1

Sebastião já está com 4 meses. E vejam que corajosa: em pleno inverno gaúcho, que, além de frio, é úmido, ela encarou usar fraldas de pano direto. Antes disso, o pitoco tinha 10 fraldas de pano modernas – então, até lavar e secar (lembrando que com umidade no ar, demora mais; nos primeiros meses, se troca mais seguido), era pouco. “Agora comprei mais. Está sendo ótimo, elas são gostosas e lindas”, me contou Luciana.

Sebastião

Sebastião em suas fraldinhas lindas e ecológicas

Ele está usando principalmente fraldas Dipano. Segundo sua mamãe, “são bem boas, parecem durar bastante”. Como todas, o único cuidado é com a impermeabilização. “Mas sempre faço um enxágüe extra e uso pouco sabão”, aconselha. Eles também gostaram bastante da Nós e o Davi. Das biodegradáveis, usaram no começo bastante as Wiona: “Muito boas, só são meio caras, mas achei bem melhor que as comuns da Pampers que experimentei junto”.

Luciana, esqueci de comentar. Se notar que impermeabilizou, não precisa esperar lavar mais uma vez. Usa assim mesmo, mas com um absorvente de algodão por cima (não dentro do bolso). Funciona superbem. Mesmo com uma fraldinha de pano Cremer bem dobradinha como absorvente. Depois lava de novo com pouco sabão!

LUCIANA

Mamãe Luciana

Quando a consultei para compartilhar a experiência dela com vocês, Luciana não hesitou. “O efeito que causa nas pessoas quando vêem as fraldas vale tanto quanto a economia de recursos que elas proporcionam.” Já podemos ver que ela está se saindo muito bem como mãe, mamãe sustentável e corajosa. Nas palavras dela, “a maternidade é uma vivência única, cheia de novas experiências”.

 

Saiba mais:
O que motivou este blog
Meus 5 motivos para usar fralda de pano
Um guia bem bacana pra quem tá começando

Advertisements

Embalagem do lixo

descarte
Quando paramos para refletir sobre o lixo, parece não haver solução a não ser mudar de planeta, como me disse uma amiga esses dias. Reduzir é o segredo se estamos preocupados com essa questão. A forma mais eficaz possível para gerar menor impacto ambiental é cortar a fonte e não gerar lixo. Ou seja, em vez de tomar suco de caixinha ou garrafa, fazer o seu suco, aproveitando até a casca ou adubando a terra, fazendo compostagem com o lixo orgânico gerado. Para o lixo da cozinha, a composteira é uma ótima solução. E quando falamos em fraldas?

As fraldas de pano são duráveis e reutilizáveis, solução para gerar menos lixo. Os paninhos também, que podem substituir algodões ou lenços umedecidos. As fraldas descartáveis biodegradáveis, que teoricamente se decompõem em 5 anos, podem ser utilizadas por várias horas num bebê grandinho. No verão e no desfralde, o bebê pode ficar peladinho em casa ou só de calcinha/cuequinha.

O que fazer se gerarmos lixo, como armazenar e descartar esse lixo? Vamos reduzir sacos de lixo também!

Tenho pavor de sacolas dentro de sacolas, dentro de outras sacolas… Parece que aquele lixo está tão protegido que nunca irá se decompor. Perguntei a três ou quatro biólogas e engenheiras químicas, mas não obtive uma resposta definitiva sobre o fato de uma sacola dentro da outra atrasar a decomposição de seu conteúdo. Vamos lembrar que no caminhão de lixo muitos sacos grandes já se abrem, mesmo assim aquele plástico continua lá.

No condomínio onde moramos, há lixeiras com sacos de lixo em todos os andares para lixo orgânico. O lixo ali depositado deve estar embalado, pois eles fazem o possível para reunir os lixos, mantendo aquele saco na lixeira por mais tempo. Como não posso simplesmente pegar o cesto de lixo e despejar diretamente ali, procuro evitar acumular um saco dentro do outro em casa e utilizar uma embalagem de fácil decomposição. Assim, o lixo de fraldas pode ser embalado com o lixo de banheiro, por exemplo.

Para a lixeira das fraldas, fora as sacolas oxi-degradáveis, que são feitas para se desmanchar no meio ambiente (em alguns meses no sol, observe ela se desfazer em pedaços), mas não necessariamente deixam de ser tóxicas para o meio ambiente (elas não deixam de existir), prefiro usar:

– a embalagem das fraldas (as Wiona no Brasil estão vindo em sacos biodegradáveis, feitos de milho);
– o saco de papel da padadria, geralmente pardo (são perfeitos para embalar de uma a três fraldas, depende da capacidade, e no geral não seriam reciclados, porque além de muito amassados às vezes ficam também engordurados);
– uma dobradura com papel jornal, se temos jornal em papel em casa.

Para fazer a dobradura, o passo-a-passo é este aqui. No entanto, com o tamanho do papel dos jornais do Sul do país ou dos distribuídos gratuitamente na rua (tipo tablóide), o embrulho se torna pequeno para mais de uma fralda suja e frágil para uma fralda pesada, bem recheada.

O saco de papel de pão foi, por enquanto, a melhor alternativa para se livrar do cheiro do cocô matinal na fralda noturna no quarto. Já na casa da vovó, quando usamos fralda descartável, ela vai direto para a lixeira grande de lixo orgânico, sem precisar de embalagens menores. Pena que esses sacos grandes dificilmente são ao menos oxi-degradáveis.

Como é o descarte do lixo na sua casa?

Leia mais:
O lixo que não se desfaz – por EcoMaternidade
Sem desperdício – pensando nos mínimos detalhes

Economia de recursos

fraldas no inverno para bebês grandinhos

No inverno, é perfeito colocar fraldas noturnas bem quentinhas mesmo durante o dia

A troca de fraldas do bebê costuma ser recomendada no máximo a cada três horas ou sempre antes de mamar desde recém-nascido. Quando o bebê fica maior, no entanto, você pode espaçar essas trocas sem afetar a pele do bebê. É uma forma de economizar recursos, seja gerando menos lixo ou lavando menos fraldas.

Assim, você pode trocar apenas quando sentir que o bebê já molhou bastante (e sempre que fizer cocô, claro). Depois que o bebê já passa dos 7kg (geralmente depois dos 6 meses), já usa o tamanho Maxi das fraldas Wiona, por exemplo, é seguro fazer o teste. Com a fralda de pano, pode fazer quase a mesma coisa. No inverno, bebês maiores conseguem ficar a tarde toda com uma boa fralda noturna de pano e recheio noturno adequados. Quando a camada de microsoft interna já não parece continuar seca ou o recheio já está “carregado”, troque em seguida. Se limpar bem antes e depois, deixando bem sequinha a criança, não há risco de assar. Com a descartável hipoalergênica biodegradável, por tantas horas, é bom passar um creme de prevenção de assaduras. Nem toda fralda dura tanto tempo, entretanto.

Tem que usar o bom senso. Se a fralda continua segura, seca, tudo bem. Mesmo assim, não recomendo fazer isso todo o tempo por muitos dias seguidos para prevenir assaduras e proteger a pele do bebê. E no verão (quando a fralda noturna de pano não é muito adequada durante o dia), o bebê mesmo bem novinho pode ficar um tempo peladinho, sem qualquer fralda, não há contra-indicação.

 

Leia mais:
Desafio: três vezes ao dia – usando as noturnas durante o dia, mais fácil fazer valer o desafio

Fraldas na Europa

fraldas ecológicas na Itália

Wiona, Moltex e Nature Babycare: fraldas que já experimentamos

Tiramos alguns dias de férias, aproveitamos uma promoção e fomos encontrar uns amigos na Europa. Ainda mais viajando para o frio, decidimos usar apenas fraldas descartáveis biodegradáveis. Levamos a quantidade necessária para a primeira semana. “Depois a gente compra mais lá.” Como mudaríamos muito de cidade, nem pensamos em levar fraldas de pano para lavar.

Na nossa experiência, não foi tão simples assim. Nem todo lugar vende e nem sempre se encontra do tamanho certo. Onde é mais seguro encontrar é em empórios ou mercados de orgânicos. Pesquise onde há mercadinhos perto de onde for ficar, mas peça dicas quando chegar lá – muitos desses lugares funcionam em horários alternativos e podem estar fechados aos finais de semana, de manhã cedo ou às segundas. Ainda assim, o preço costuma ser salgado e nem sempre você vai encontrar a marca que procura.

Na Itália, queria experimentar a marca italiana NaturaÈ. Quando precisei comprar, não encontrei. Havia fraldas biodegradáveis em promoção por 5€ num supermercado em Roma logo que chegamos, mas ficava muito afastado do centro. Não tivemos tempo de ir até lá.

Nature Babycare e o vexame na loja de departamentos
Acabamos pagando caro por um pacote de Nature Babycare (fabricado pela Naty) em Milão, que encontramos no Centro Botânico, um supermercado grandinho de produtos orgânicos e ecológicos bem bacana mas um pouco caro – foi quase o preço da Wiona no Brasil, mas por um pacote com umas 10 fraldas a menos. Já tinha experimentado a fralda uma vez, é legal porque não tem nada de plástico, parece bem natural, mas quando já estamos acostumados com outro modelo, usar um novo direto pode causar estranheza (tínhamos a sensação que a fralda se “desmanchava” com muito xixi, mas era, até então, confiável). A Nature Babycare foi fundada por uma mãe sueca – vem até a foto da Marlene Sandberg com seus filhos na embalagem, bem simpático.

Naty fralda biodegradável

Num dos últimos dias de viagem, quando estávamos na rua por muitas horas sem encontrar trocador, um acidente. Estava numa grande loja de departamento quando sinto um calorzinho. Minha filha estava no colo. Olho pelo espelho e, de fato, vazou o xixi. Um vendedor chamou um segurança, que pediu a chave do banheiro de funcionários para outro segurança. Descemos um andar. Era um banheiro acessível, mas não tinha trocador, claro. Pelo menos estava limpo para colocar o trocador portátil no chão. Ela precisou trocar a roupa também, inaugurar uma calça nova. Tudo pronto pra sair, número dois! Tive que começar tudo de novo. Os seguranças já batiam na porta para entender o que estava acontecendo.

Nem foram tantas horas na rua como seria numa madrugada. Por sorte, tínhamos guardado algumas Wiona para colocar à noite, que estávamos usando. Mas não teríamos fraldas suficientes para enfrentar a viagem de volta ao Brasil.

NaturaÈ
Em Florença encontrei a NaturaÈ, italiana, em uma loja de bebê, mas era o último pacote da loja e não era do tamanho certo (o preço era tentador: o mesmo de uma convencional, uns 7€). Continuamos a saga. Não encontrei outras marcas italianas, referências desse guia bem completo (em italiano).

Moltex fraldas biodegradáveis

Moltex
De volta a Roma, fomos ao mercado orgânico do Trastevere que nos recomendaram (o da minha pesquisa estava sempre fechado). Encontramos outra fralda ecológica que também não era italiana. A Moltex, de fabricação alemã, que diz ser “a primeira fralda ecológica do mundo”. Cerca de 45% de sua matéria-prima provém de fontes renováveis, não contém cloro nem látex ou fragrâncias, permite que a pele respire e 40% do TNT da capa da fralda, seu lado externo, é de matérias-primas renováveis. Ela é branquinha como a Wiona (a Nature Babycare tem desenhos de folhinhas no corpo da fralda), mas o tamanho Maxi é um pouco maior. Custou um pouco menos (16€) e vem com mais fraldas (37) que a Nature Babycare (32 peças) – ainda menos unidades que o pacote do tamanho equivalente da Wiona. Funcionou bem, conseguimos voltar com segurança.


Resumo da ópera
: por mais que você queira experimentar produtos locais, quando se trata de bebê, mais seguro levar com vocês os produtos de necessidade básica da sua confiança. Um pacotão de fraldas pesa, mas com o uso o volume vai diminuindo e até abrindo espaço na mala para trazer outros achados.

PS – Engraçado que no aeroporto de Munique, onde acabamos fazendo conexão na volta (ainda bem que tínhamos garantido mais fraldas, porque o vôo original foi cancelado), vimos outros produtos orgânicos para bebês na farmácia, mas nada das ótimas fraldas biodegradáveis alemãs.

Viagem com bebê

2721679710_ff0bb2fa32_b

Foto: Jeremy Engleman

Viajar fora de época é uma escolha sustentável. Além de ser mais tranquilo, sem multidão para passear com as crianças, não esgota os recursos locais, como é o risco da alta temporada. Com bebês, ainda mais fácil, aproveitando que não têm calendário escolar, estão sempre de férias.

Ser sustentável fora de casa com bebê não dá trabalho e permite que você seja um turista consciente, respeitando o ambiente que visitar. Confira algumas dicas:

Trocador

20131010-232754.jpg

Fralda Bonita

Normalmente, não há problema algum em usar um trocador lavável e impermeável. Em alguns destinos ou situações, no entanto, pode ser mais prático usar um trocador descartável. O xixi pode escorrer do trocador ou você pode ter dificuldade para limpá-lo.

Você pode fazer seu próprio trocador (ou cobertura para trocadores públicos) cortando um pedaço de TNT (tecido não-tecido). Ou comprar os trocadores biodegradáveis como este da Wiona:
Baixa (3)

Fraldas
Você pode levar fraldas biodegradáveis (no Brasil, temos a Wiona) ou, caso precise de mais fraldas ou viaje por um longo período, procurar fraldas biodegradáveis no lugar de destino. (Comprando a maior parte das fraldas no destino, certamente a mala fica mais leve.) A Wiona pode ser encontrada em vários países, mas existem outras marcas no exterior. No México, existe a BioBaby. Nos Estados Unidos, a Honest. Na Suécia, a Nature Babycare. Na Itália, a Naturaé.

Se preferir levar as fraldas de pano, procure recheios descartáveis e degradáveis para essas fraldas. Existem as coberturas descartáveis, apenas para a superfície e resíduos mais sólidos, que são lencinhos chamados de forrinho ou liners. E também recheios absorventes degradáveis descartáveis, que absorvem xixi e evitam sujar a fralda – esses são os disposable inserts. Se informe sobre o sistema de esgoto da cidade e da casa antes de descartá-lo na patente – ainda que diga “flushable” na embalagem. Na foto, são inserts da marca Charlie Banana:

20131010-232622.jpg20131010-232644.jpg

Banho
Agora que você já domina o banho do bebê na banheirinha de casa, como sobreviver sem ela? A solução é levar uma banheira inflável ou, ainda mais simples, tomar banho com o bebê no chuveiro. As banheiras infláveis para bebês costumam ser confortáveis, fofinhas, anatômicas para apoiar o bebê e ainda avisam se a água estiver muito quente. São também uma forma da criança se adaptar ao banho em banheira ou chuveiro. Geralmente são recomendadas até 12 meses, mas tem gente que usa por mais tempo.

20131010-232550.jpg

Sono
Dificilmente há berços disponíveis nos hotéis. Se o bebê não dormir no carrinho ou na sua cama, você pode colocar um colchão no chão para ele deitar. Existe ainda um berço inflável que serve como cama e banheirinha!
20131010-232541.jpg

Alimentação
Até os seis meses, pode ser mais fácil viajar se o bebê está apenas sendo amamentado. Depois disso, inclua na sua pesquisa da viagem papinhas orgânicas que possa comprar. Uma dica interessante repassada pela Irene, do CineMaterna: não acostumar o bebê apenas com comida quente. Fica mais fácil não precisar aquecer a papinha.

Mala

8513467391_a5f8c448e1_n

Foto: Janet McNight

Leve o mínimo de peças. Se possível, seja econômico na sua mala, já que a criança pode precisar de mais trocas de roupa. Em vôos nacionais, bebês de colo não tem franquia, e a equipe de check in raramente deixa de cobrar 1kg de excesso de bagagem. Apenas o carrinho ou bebê conforto é despachado sem pesar.

Saquinhos
Para organizar a mala e separar os conjuntinhos, você pode usar saquinhos de TNT (como aqueles de sapatos ou sacolinhas retornáveis).

Para roupa suja ou fralda suja (mesmo as descartáveis biodegradáveis, caso não encontre um lixo), você pode levar um saco como esses da Fralda Bonita que havia sugerido aqui. Cabem duas fraldas em cada saquinho, que é impermeável e fecha.

Compras
Leve pelo menos uma sacola retornável para fazer compras. Em alguns países os supermercados não oferecem mais sacolas plásticas, apenas saquinhos sem alça. Reduza a quantidade de sacolas que você vai trazer ou de lixo que vai deixar.

Se quiser trazer alguma lembrança, não retire do local plantas, flores, conchas ou outras coisas que possam alterar o ambiente da região visitada ou interferir na flora de onde você mora. Informe-se sobre o que a Anvisa permite trazer para evitar transtornos com a Polícia Federal na volta ao Brasil.

Na hora de adquirir um presente, escolha produções regionais, de produtores locais, como artesãos ou indústrias que usam matéria prima local também.

file0001354651431

Foto: Anita Peppers

Planejando sua próxima viagem:
Desmistificando as viagens com bebês
De ônibus com bebê
Turismo sustentável: faça a sua parte!
Passaporte Verde – guia do viajante do Ministério do Meio Ambiente
Como tirar o passaporte do bebê
How to travel more green with your family
As 20 melhores cidades do mundo para andar de bicicleta
Oportunidade de hospedagem em fazendas orgânicas por meio período de trabalho no mundo todo – há vários locais participantes no Brasil, geralmente são famílias vegetarianas, e alguns deles aceitam receber pessoas acompanhadas de crianças
Calculadora de emissão de carbono
A partir de 2014, valerá nova lei para vôos com bebês no Brasil
Um ponto de vista divertido sobre longas viagens com crianças
A intolerância social a crianças e a exclusão das mães
Para conhecer logo: 10 destinos que estão sumindo do mapa

Mamãe sustentável é…

girafinhas

Este post é para agradecer a todos os inscritos no sorteio Wiona & Mamãe Sustentável por sua participação e suas frases inspiradoras.

Além das sorteadas, divulgadas aqui, segue uma seleção de frases lindas recebidas (na ordem das inscrições):

“É ser uma mãe que pensa no futuro do seu filho, se preocupando com sua vida, com sua história, com a natureza e a vida que o cerca.”
Andreia Silva Moran – São Bernardo do Campo/SP

“É ajudar seu filho a crescer usando um produto que não seja poluente ao meio ambiente.”
Lisiane Maria Veiga Maievski – Canoinhas/SC

“Ser uma mamãe sustentável é entender que, assim como hoje ela precisa de mim e está completamemte ligada a mim, desta forma mágica que os bebês se conectam às mães, o futuro dela está ligado ao futuro do planeta e o planeta depende dela.”
Paola – São Paulo/SP

“É dar o que se tem de melhor para o seu filho, com responsabilidade e comprometimento ecológico, mas sem abrir mão da qualidade.”
Fabrícia Macabu – Niterói/RJ

“É cuidar bem do bebê humano, do bebê planta e do bebê bicho!”
Daniela de Oliveira Danieli – São Paulo/SP

“A Mãe Sustentável leva os dias com atitudes e escolhas que respeitam o meio em que vive, um orgulho e exemplo pros filhos espelharem-se!”
Bia Martins – Porto Alegre/RS

“É se preocupar em praticar, e ensinar seus filhos, as melhores formas de deixar a menor pegada de carbono possível e a cuidar bem do mundo em que vivemos.”
Juliana – Porto Alegre/RS

“Mamãe sustentável é conscientizar seus filhos através das atitudes do dia-a-dia, começando com a escolha das fraldas.”
Fátima – São Paulo/SP

“Ser uma mãe sustentável é preocupar-se com o bem estar de seu filho e também com o mundo a seu redor, o mundo onde esse bebê viverá no futuro.”
Rafaela Velmovitsky Pinto – Rio de Janeiro/RJ

“É ser uma mamãe que se preocupa com o mundo de hoje e o mundo que vai deixar para seu filho no amanhã.”
Debora – Pompéia/SP

“Ser uma mãe sustentável é educar com exemplos. Mamãe cuida do futuro do filho, ensinando-o a preservar o planeta.”
Gabrielle Arani Alves Tessmann – Salvador/BA

“É uma mãe consciente na escolha e uso dos produtos para seu filho, tornando o mundo um lugar onde ele possa crescer com saúde e bem estar e ter condições de também cuidar dos seus filhos em um mundo socialmente justo, economicamente viável e ambientalmente correto.”
Janisse – Morro Redondo/RS

“Uma mãe sustentável é aquela que está sempre em busca de novos produtos que se adaptem ao mundo moderno e usem os recursos disponíveis de tal forma que as próximas gerações também possam usá-las.”
Iolda – Morro Redondo/RS

“É ensinar ao seu filho, não importa a idade que ele tenha, que todos juntos podemos construir um mundo melhor.”
Gisella de Albuquerque Monteiro Rodrigues – Maceió/AL

“É planejar todos os dias da minha vida como vou te ensinar com amor e carinho a cuidar do nosso lindo planeta!”
Luma Caroline – Curitiba/PR

“Ser uma mamãe sustentável é dar a vida pelo seu filho, através da mudança de atitude diariamente em relação ao consumismo, buscando praticar os 5 R´s (Repensar, Recusar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar). Consciência no Consumo, sempre.”
Patrícia França – Belo Horizonte/MG

“Uma mãe sustentável cuida de todas as necessidades do filho, inclusive da sua relação com o planeta.”
Marcela Buralli – Brasília/DF

“Ser uma mamãe sustentável é se preocupar não só com o futuro do seu bebê, mas de todos os outros.”
Leda Carbonera – Campo Grande/MS

“É regar os filhos com ações concretas e favoráveis a manutenção e cuidado com o meio ambiente!”
Luciana Magalhães – Brasília/DF

“Ser um mamãe sustentável é fazer escolhas pensando no futuro da geração do meu filho, fazer escolhas que deixem apenas um rastro no planeta, o do meu amor por ele. Amar é não poluir o mundo que ele vai herdar e contribuir para construir um mundo melhor para nossos filhos.”
Carol Passos – Rio de Janeiro/RJ

“É se preocupar com o futuro dos nossos pequenos, fazendo o melhor para a natureza! Ensinar os pequenos a serem mais conscientes cuidando da natureza e evitando o consumismo.”
Andressa Gabriele da Silva – Porto Alegre/RS

“Mãe sustentável é a que busca sempre o melhor para o seu filho a longo prazo, ou seja – causando o mínimo de impacto e agressão ao meio ambiente.”
Waltércio – Pelotas/RS

“É ensinar seus filhos que bonito é respeitar o mundo em que vivemos, é cuidar do nosso lar (planeta) e fazer com que ele dure muuuito mais.”
Sandra Paschoiotto – Boa Vista/RR

Obrigada e bom final de semana!

Fraldas Wiona

20130812-220107.jpgEstamos sorteando esta semana dois pacotes de fraldas Wiona, que são descartáveis e ecológicas. Eu sou muito fã e digo por que:

Aparência: branquinha, bem neutra; nada das estampas breguinhas e enjoativas da maioria das fraldas descartáveis; básica e, pra quem difere cores e estampa por gênero, unissex.

Por que escolher: ela é ecológica do começo ao fim, composta por materiais naturais (plástico feito de milho orgânico, por exemplo, inclusive na embalagem) de fornecedores confiáveis e depois de descartada leva apenas cinco anos para se decompor (as descartáveis comuns levam em média 450 anos).

Por que o bebê vai gostar: é hipoalergênica, não faz mal para a pele.

Por que os pais vão gostar: ela é resistente e deixa o bebê sequinho por mais tempo.

Minha experiência: Dora usa Wiona desde que nasceu. Foram cinco caixas RN até os 28 dias. Agora já passamos pela Mini e usamos a Midi. As fraldas já resistiram a muito xixi e cocô.

Calculo em média um pacote por semana… No entanto, como ela é mais resistente, notei que (ainda mais na embalagem nova, com mais fraldas) usei metade do pacote de sábado a sexta (usando apenas Wiona e sem dar intervalos sem fraldas, pois está frio – passamos a semana visitando os avós).

Com o friozinho chegando e amanhecendo com chuva nesta última sexta, a Dora me presenteou dormindo até as 10h da manhã! A última troca de fraldas tinha sido por volta das 20h30. Nada de vazar pra roupinha, nenhum sinal de assadura ou alergia – e tinha cocô. Isso que ela mama bem, portanto faz bastante xixi.

O que os amigos que já usaram muitas outras fraldas dizem: só é comparável com a Pampers Premium Care (que promete 12h de absorção e dizem que tem material mais macio e respirável, mas não é biodegradável e custa de R$ 72 a R$ 109,90 um pacote de 92 fraldas) ou com a Huggies Naturali (que dizia reduzir em 10% o plástico em relação a outras fraldas da marca, mas sumiu do mercado).

Investimento: valor cheio de R$ 89,90, mas em promoção por R$ 69,90 no Walmart ou R$ 62,91 na Americanas.com – e cliente fiel, comprando diretamente no site da Wiona, ganha 10% de desconto. Os pacotes RN ou Mini costumam custar menos. A quantidade de fraldas por pacote varia de acordo com o tamanho – o Midi vem com 52 unidades, por exemplo.

Onde encontrar: no site há uma lista de fornecedores, você pode encomendar pela internet pra receber em casa, mas a rede de distribuição está aumentando.

Site oficial: www.wiona.com.br

Sobre o sorteio: https://blogdamamaesustentavel.wordpress.com/sorteios/
– Bora participar?

Sorteio Wiona & Mamãe Sustentável

Sorteio Wiona Mamae Sustentavel

Para inaugurar oficialmente a página do Blog da Mamãe Sustentável no Facebook, estamos realizando um sorteio de pacotes normais de fraldas biodegradáveis com a Wiona. Qualquer pessoa com endereço em território brasileiro pode se inscrever até o dia 15 de agosto. O sorteio de dois participantes será realizado no dia seguinte ao término das inscrições. As duas pessoas sorteadas poderão escolher o tamanho de fraldas Wiona que querem receber: RN (2 a 4kg), Mini (3 a 6kg), Midi (4 a 9kg), Maxi (7 a 16kg), Junior (12 a 25kg).

Baixa (2)

As fraldas Wiona estão com nova embalagem

Para participar, você deve:
1. Curtir a página do Blog da Mamãe Sustentável no Facebook.
2. Curtir a página da Wiona no Facebook.
3. Compartilhar a imagem do sorteio em seu perfil do Facebook.
4. Preencher este formulário completo, incluindo a resposta para a pergunta “o que é ser uma mamãe sustentável?”.

O formulário de inscrição também está disponível aqui. Boa sorte!

Orgânicos e ecológicos em São Paulo

20130627-122443.jpg

O pavilhão da Bienal, no Ibirapuera, em São Paulo, recebe a partir desta quinta, 27 de junho, a Bio Brazil Fair | BioFach América Latina – Feira Internacional de Produtos Orgânicos e Agroecologia e a Naturaltech – Feira Internacional de Alimentação Saudável, Produtos Naturais e Saúde. A nona edição dos eventos apresenta 200 expositores. Os produtos – alimentos, roupas, higiene, cosméticos, entre outros – estarão à venda aos visitantes. As feiras são exclusivas ao setor nos dois primeiros dias e abertas ao público geral, com entrada gratuita, sábado (29, das 11 às 20h) e domingo (30, até as 19h).

Para mamães e bebês, é a oportunidade de conhecer a papinha e o mingau orgânicos da Jasmine e os produtos biodegradáveis da Wiona. Além da fralda, a Wiona tem duas novidades: trocador descartável (que pode servir como forro de colchão ou para o cachorrinho de estimação) e absorvente biodegradável feminino. Para o restante da família, petiscos orgânicos para cães, biojoias (artesanais, de matéria-prima da natureza), terapias, alimentos e bebidas alcoólicas.

Por enquanto, a previsão do tempo é ótima para o final de semana em São Paulo. Perfeito para completar o passeio com um piquenique no parque.

Desafio: três vezes ao dia

Image

Há um desafio internacional lançado pelo fabricante norte-americano Cotton Babies (criador das marcas bumGenius, Flip Diapering System e Econobum): usar pelo menos três fraldas de pano por dia. Afinal, temos que fazer o possível e começar experimentando. Change 3 Things é uma campanha parecida com a do Paul, da Stella e da Mary McCartney, Meat Free Mondays, que incentiva a alimentação vegetariana às segundas-feiras.

Não podemos ignorar o fato de que muitas creches podem não permitir ou colaborar no uso das fraldas de pano. No período em que a criança está em casa, no entanto, esse controle é mais fácil, basta tentar. O objetivo da campanha é atingir 100 mil pais comprometidos a usar três fraldas de pano por dia, para: uma economia em milhões de dólares,  evitar cerca de 13 a 23 milhões de quilos ou aproximadamente 100 milhões de fraldas descartáveis no lixo, aumentar a consciência sobre o impacto ambiental e sobre os benefícios das fraldas de pano.

Recomendo um artigo que incentiva o uso de fraldas de pano já em bebês recém nascidos. Nos primeiros dias de vida, no entanto, ainda no hospital, vale conferir com a maternidade escolhida qual é o procedimento quanto à troca de fraldas. Em São Paulo, algumas maternidades dão de presente aos pais fraldas descartáveis e kits de higiene, mas não permitem que levem suas fraldas de preferência de casa. Outras vendem esses produtos, mas aceitam que os pais levem seu kit, desde que as fraldas estejam ainda lacradas em suas embalagens originais – ou seja, parece mais complicado negociar o uso de fraldas de pano. Nesse caso, vale tentar levar caixinhas de fraldas tamanho recém-nascido da marca Wiona, biodegradáveis. Para sua sorte, há desconto de até 50% para fraldinhas RN em algumas lojas, como a Baby Mills.

Para apoio, dúvidas, trocas de informações e até trocas de produtos usados, há grupos de discussão sobre fraldas de pano no Brasil: no Orkut, no Yahoo, no Facebook (essas três primeiras, independentes de qualquer fabricante), e a comunidade dos Bebês Ecológicos, também no Facebook.